Quais são seus  sonhos para o ano?

Opinião

Bibiana Faleiro

Bibiana Faleiro

Jornalista

Quais são seus sonhos para o ano?

Por

Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Há algum tempo, eu costumava acreditar que, colocando muita energia positiva em algo, as coisas aconteciam sem grandes esforços. Bastava fechar os olhos, pensar bastante e “voilá”, os meus desejos se realizavam. Claro, isso funcionava para coisas mais simples e que, provavelmente, já iriam acontecer de uma forma ou de outra.

Mas eu acreditava que se desejasse muito, quando o ano virava, eu seria uma Bibi diferente. Eu ia para uma série nova, faria amigos e passaria de ano com boas notas. Eu falava para mim mesma que não me importaria com coisas que me incomodaram no ano que passou. Que seria ainda mais positiva e uma pessoa melhor.

Com o passar do tempo, fui me apegando um pouco menos a esses pequenos desejos. Sempre procurei melhorar, mas passei a ver a troca de ano como um fardo pesado demais para se carregar sozinho. Ele em si não tem culpa, mas leva todas as nossas expectativas que também aumentam com a experiência.

E, ao invés de pedir tanto que meus desejos sejam atendidos – porque sim, os desejos também se modificam com os anos – nessa virada, passei a agradecer. Por todos os pequenos sonhos realizados nos 365 dias que passaram.

Os meus planos, hoje, ficam em um papel na cabeceira da cama, mas não carrego todos ao mesmo tempo. Eles se espalham pelo ano e me fazem ficar feliz por cada pequena conquista que me trouxerem.

Ainda gosto de fechar e acreditar com força. Mas entendi que apenas isso não me tira do chão. É preciso esforço, noites mal dormidas, angústias e incertezas. É preciso paciência e persistência. E um dia, chegamos lá. Mesmo assim, não diria para aquela Bibi da minha infância parar de acreditar. Foram aquelas crenças que me fizeram crescer e me permitiram criar novos sonhos a cada virada do ano.

Boa leitura!