Operação RS Verão Total tira mais de 20 agentes da região

DESFALQUE NA SEGURANÇA

Operação RS Verão Total tira mais de 20 agentes da região

Profissionais de Brigada Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros reforçarão a segurança em outras regiões do estado. Tendência é que os servidores fiquem afastados até abril do ano que vem

Por

Operação RS Verão Total tira mais de 20 agentes da região
(Foto: Arquivo A Hora)
Vale do Taquari
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

A chegada do verão retoma a preocupação das forças de segurança regionais com os deslocamentos de pessoal para outras regiões do Estado. No ano passado, 32 agentes de segurança foram recrutados para a Operação RS Verão Total, que reforçou os efetivos no Litoral, na Serra e na Fronteira.

A projeção das entidades é que pelo menos 20 profissionais participem das mobilizações nesta temporada. A Brigada Militar (BM) tem o maior número de profissionais cedidos até aqui: são 12, das duas corporações do Vale do Taquari.

As saídas devem começar na segunda quinzena de dezembro. No entanto, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) indica que a operação ocorrerá entre novembro de 2021 e abril de 2022.

Bombeiros com desfalque importante

Os quatro batalhões de Bombeiros do Vale somados devem deslocar 10 servidores nas próximas semanas. A corporação de Lajeado, por exemplo, terá seis profissionais cedidos para a operação, o que equivale a 33% do total da força de trabalho de 18 servidores.

Uma reunião nesta quinta-feira vai definir a situação. O comandante do batalhão lajeadense, tenente Fausto Althaus, já conta com a perda de efetivo. “A equipe vai ficar bem reduzida, vamos ter que fazer alteração de escala. Estamos no aguardo, se não vier efetivo, que venha hora extra, para não haver prejuízo à sociedade”, afirma.

O Corpo de Bombeiros de Estrela terá apenas um servidor encaminhado para a operação. O comandante, tenente Paulo Cesar Sulzbach, destaca um ponto positivo no contexto, com o aprendizado que o militar leva para os demais colegas no retorno. “É uma troca importante de experiências”, diz.

Saídas não influenciam na Brigada

O Comando Regional de Polícia Ostensiva do Vale do Taquari (CRPO-VT) encaminhará 12 policiais militares para a operação. Na avaliação do comandante do CRPO-VT, o tenente-coronel João Aílton Iaruchewski, o número não deve influenciar nas ações de policiamento ostensivo e operações feitas na região durante o período.

“Em termos de percentual, o Vale do Taquari é o que menos perde efetivo para a operação. Houve uma sensibilidade por parte do comando geral da Brigada da região”, destaca o comandante. O chefe do 22º Batalhão de Polícia Militar (BPM), o major Fábio Kuhn, ressalta que apenas um servidor de cada município será deslocado, o que diminui o prejuízo.

Preocupação na Polícia Civil

A Polícia Civil aguarda por maiores definições sobre o efetivo destinado para a operação. O processo passa pela candidatura de profissionais que se disponham a participar. O baixo número de inscritos preocupa, com a possibilidade de convocações compulsórias. O parâmetro do último verão é um forte indicador, quando o Estado disponibilizou 948 servidores.