Por que tratamos Neymar diferente?

Opinião

Caetano Pretto

Caetano Pretto

Jornalista

Colunista esportivo.

Por que tratamos Neymar diferente?

Por

Brasil
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

Pelé tinha 29 anos quando jogou a sua última Copa do Mundo. Ronaldo Fenômeno também. Romário tinha 28 em 1994. Ronaldinho Gaúcho atuou pela última vez na Copa da Alemanha, aos 26 anos. Kaká tinha apenas 28 anos quando jogou em 2010. Em 2014, aos 32, também não atuou. Por que tratamos Neymar diferente dos demais?

O astro brasileiro declarou em entrevista nesta semana que a Copa do Mundo do Catar talvez seja a sua última. Depois de atuar no Brasil e na Rússia, o craque chegará em 2022 com 30 anos. Na Copa seguinte, terá 34. Sua manifestação é natural. Nada diferente dos demais craques brasileiros que também jogaram o seu último Mundial por volta dos 30 anos. Mas parece que insistimos em tratar Neymar diferente deles.

O camisa 10 do PSG já venceu tudo que é possível por clubes. Em um currículo geral, só não conquistou uma Copa e o título de melhor jogador do mundo. E isso lá é um problema? Talvez nem mesmo Neymar ambicione mais o título individual.

O fato é que desde que surgiu Neymar foi tratado de forma diferente pela imprensa e pelo torcedor brasileiro, que nunca o colocou no patamar dos demais. Fora de campo, talvez ele não seja o exemplo que precisamos. Dentro de campo, tem até mais bola do que alguns dos citados no início do texto.

Muitos reclamam do segundo maior artilheiro da história da Seleção Brasileira. Mas ele é nosso melhor jogador há no mínimo uma década. Terá bola para jogar em 2026 com certeza. Mas talvez não terá cabeça. Suas últimas manifestações mostram um Neymar descontente, longe do menino alegre que conhecemos. A decisão de até quando quer jogar cabe só a ele. Quem perde somos nós.

Futuro da canoagem

A aula inaugural do projeto Remada Ecológica ocorreu no feriado do dia 12. Realizado pela AECA em parceria com a Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer de Lajeado, o projeto tem como meta ensinar crianças da cidade a compreenderem a importância do Rio Taquari, assim como manter o mesmo limpo, além de receberem também os ensinamentos da canoagem. É o futuro da Canoagem Brasileira remando nas águas do nosso rio.