“Saúde FEF”: Física, Emocional e Financeira

Opinião

Albano Mayer

Albano Mayer

Consultor executivo e articulador do Pro_Move Lajeado

Assuntos e temas do cotidiano

“Saúde FEF”: Física, Emocional e Financeira

Por

Vale do Taquari
CRON - Lateral vertical - Final vertical

O ano de 2020 nos deixou grandes ensinamentos, um deles foi ampliarmos os cuidados com a nossa saúde. Sempre que me deparo com a expressão “saúde”, tenho a tendência de vê-la de forma mais ampla, percebendo outras necessidades de saúde que por vezes nos esquecemos.

Saúde física, desta fomos constantemente lembrados durante a pandemia. Revisamos os cuidados com nossos familiares e amigos, mas vale uma pergunta, como está a tua saúde física? Quanto tempo da tua semana dedicas para os cuidados com o teu corpo? Praticas exercícios? Fizeste alguma avaliação física?

Parecem perguntas obvias, mas o cotidiano faz com que esqueçamos de cuidar do nosso bem mais importante, nós mesmos.

Saúde Emocional, interessante nos questionarmos como estamos emocionalmente. Esta área da saúde depende de um conjunto de coisas que podem influenciar ou desequilibrar o nosso emocional, família, educação, trabalho, cultura, religião, entre tantas outras. O fato é que somos individuais nesta questão, temos que encontrar as oportunidades e gatilhos que nos levam à saúde emocional.

Nesta área em especial precisamos ser resilientes, cautelosos e sempre que possível preventivos, pois quando afetados emocionalmente, o caminho para a recuperação é lento e desafiador!

Saúde Financeira, já me referi a este assunto em um artigo passado, mas sempre cabe reafirmá-lo. A saúde financeira requer abdicações, novos hábitos, empenho, controle e muito esforço. Para conquistarmos a saúde financeira, temos uma primeira regra simples: dimensionar os ganhos e as despesas.

Comecemos pelos nossos ganhos, nossa remuneração que normalmente é fixa ou com pequenas variações. O grande desafio é aproveitarmos melhor ou ampliarmos a nossa remuneração, buscando quando possíveis novas alternativas de renda, ou assumindo desafios e responsabilidades, conquistando novos espaços nas organizações que atuamos.

Quando falamos de despesas, independente da minha renda, um bom controle de despesas garante resultados no orçamento familiar. É necessário que sempre nos incomodemos com os desperdícios, lembro de um amigo falando sobre as verduras que estragavam na geladeira, ou mesmo as lâmpadas que ficam acesas pela casa.

É fundamental no controle financeiro, o controle das compras. Algumas dicas como ir ao mercado com uma lista de compras, ou mesmo não comprar por impulso em uma loja voltando no dia seguinte, podem garantir que eu não desperdice os recursos que posteriormente eu possa utilizar.

Lembrem-se: o objetivo da saúde financeira é que possamos viver bem, garantindo economias e reservas!

Encerro este artigo desejando a todos os amigos leitores: MUITA SAÚDE FEF!