“Share” toma forma

Opinião

Rodrigo Martini

Rodrigo Martini

Jornalista

Coluna aborda os bastidores da política regional e discussão de temas polêmicos

“Share” toma forma

Por

Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

As obras do “Residencial Share Univates” estão avançadas. O complexo poderá receber 446 estudantes divididos em quartos (ou módulos) individuais, e também para 2, 3 e até 4 pessoas. Os espaços também contam com internet, banheiro e ar condicionado. A área comum contará com segurança 24 horas, espaços de convivência, uma cozinha completa em cada andar, lavanderia com hora marcada, sala de games, churrasqueira coletiva, lojas de conveniência, barbearia, farmácia e mercado de bairro. O estacionamento será nos espaços já existentes na Univates. E a previsão é finalizar a obra e inaugurar o empreendimento em até cinco meses.


Lixo em Lajeado

Em agosto, a justiça suspendeu os editais para serviços de roçadas e varrição nas ruas da cidade da Lajeado. Já no edital para os serviços de recolhimento de lixo, só uma empresa compareceu ao Setor de Licitações na segunda-feira, dia 13. Trata-se da empresa Compacta, que atualmente presta o mesmo serviço na cidade. Em outros tempos, a concorrência era ferrenha por tal contrato. Desta vez, e após o governo negar provimento às impugnações apresentadas antes da data da concorrência, só restou um interessado no contrato que gira em torno de R$ 3 milhões anuais.


Orçamento e economia

O governo de Estrela encaminhou à Câmara de Vereadores o projeto da LDO de 2022. E a matéria prevê um orçamento anual de R$ 3,1 milhões para o legislativo. Em 2020, e conforme as informações do TCE, o mesmo legislativo municipal custou R$ 2,1 milhões aos cofres públicos abastecidos pelo contribuinte estrelense. Ou seja, um milhão de reais a menos do que o valor previsto para o ano que vem. Mas não se assuste. Os custos da Câmara não aumentaram tanto assim. Ocorre que os orçamentos sempre são muito superiores ao que efetivamente é gasto ao fim dos 12 meses. E desta forma é possível propagandear uma viciada economia. Ano após ano.


Nativismo e sindicato

A Câmara de Lajeado criou, aprovou e o prefeito sancionou – em um momento conveniente – o projeto que inclui o conteúdo sobre Cultura Tradicionalista na Base Municipal Comum Curricular (BMCC) das Escolas Municipais de Ensino Fundamental (EMEF) do município. O ato de assinatura da nova lei ocorreu no Acampamento Farroupilha do Parque dos Dick, com a presença do chefe do executivo, secretários, vereadores, imprensa e tradicionalistas. A novidade, entretanto, desagradou o Sindicato dos Professores Municipais. Para a entidade, faltou diálogo com os educadores.

Em nota, o sindicato afirma que não é contra os festejos, reforça a valorização da cultura gaúcha, mas observa que o projeto é “genérico, não especifica a faixa etária/ano/série, não prevê carga horária mínima ou máxima, não especifica qual componente curricular ficaria responsável por este ensino, não conceitua ‘cultura tradicionalista’, e tampouco especifica quais elementos desta cultura devem ser ensinados”. Cita, ainda, que a presença dos elementos da tradição gaúcha nas escolas municipais já ocorre e, diante disso, a nova lei “não possui utilidade alguma”.

Por fim, o sindicato demonstra preocupação com alterações no currículo das escolas elaboradas “por pessoas estranhas à área, discutidas de forma superficial e aprovadas sem a participação das e dos educadores, ignorando os princípios da construção democrática da Educação contidos na Constituição Federal de 1988 e na Lei de Diretrizes e Bases da Educação de 1996”. E a manifestação se encerra com uma reflexão.

“Lamentamos que a Educação venha sendo alvo de decisões pouco debatidas e de discussões que não fazem jus à complexidade e à importância da área”.

O debate soa inoportuno diante dos festejos que precedem o nosso 20 de Setembro. Mas, foram os próprios autores da lei que instigaram – e desfrutaram – do tema. E essa “mesa-redonda” é curiosa. Diante dos fatos, percebe-se que pouquíssimos questionam a importância de preservarmos as tradições gaúchas. A questão é a necessidade de uma alteração no currículo escolar passar, necessariamente, por uma discussão mais aprofundada com educadores. Menos mal que o tema é manso e os impactos devem ser positivos. Porém, a porteira está aberta ao parlamento.


Natal em Estrela

O Governo de Estrela anuncia para o dia 1º de outubro, às 9h, a abertura dos envelopes de “Proposta” e “Documentação” visando o Registro de Preços para aquisição de material luminoso de decoração natalina, que serão afixados em diversos pontos do município. O valor a ser licitado é próximo de R$ 120 mil.