Dia dos Pais para recuperar vendas

COMÉRCIO

Dia dos Pais para recuperar vendas

Depois de grande queda no faturamento em 2020, lojistas esperam retomar ritmo pré-pandemia. Comércio não funcionará no domingo e maior movimento é esperado para sexta e sábado

Por

Dia dos Pais para recuperar vendas
Depois das restrições em 2020, Dia dos Pais é uma aposta de retomada para o nível de vendas ao pré-pandemia (foto: Renata Lohmann)
Lajeado
Gustavo Adolfo 2 - Lateral vertical - Final vertical

O comércio da região tem bons motivos para esperar grande movimento nos próximos dias. Às vésperas do Dia dos Pais devem levar mais consumidores as lojas, diferente do que ocorreu no ano passado, quando as restrições eram maiores e diminuíram as vendas. A perspectiva dos lojistas de Lajeado é voltar ao patamar anterior ao início da pandemia.

Para o ano há muito otimismo. O resultado positivo de outras datas comemorativas indicam uma reação importante, mostrando que a data também pode render bons negócios aos estabelecimentos. O Dia das Mães, por exemplo, tinha expectativa de aumento nas vendas de 10 a 15%, mas alguns segmentos surpreenderam e chegaram a 35% de crescimento, de acordo com a CDL Lajeado.

O presidente da entidade, Aquiles Mallmann, ressalta o potencial da data, considerada a terceira mais importante para o comércio, atrás apenas de Natal e do Dia das Mães. Na avaliação dele, há movimentação em vários setores, diferente de datas como a Páscoa, onde o foco é nas lojas especializadas em chocolates e supermercados. “O pai pode ganhar um tênis ou uma roupa, mas também pode ganhar um eletrodoméstico ou um bazar, várias coisas, movimenta todo o comércio”.

Em 2020 as vendas registraram queda de quase 40% em relação a 2019. Para este ano, Mallmann sustenta que o incremento possa levar o faturamento para um nível semelhante ao período pré-pandemia. “Ano passado estávamos no meio do turbilhão das restrições e este ano esperamos recuperar esta diferença”.

Menos gastos e relação diferente

O perfil do consumidor também mudou. Antes o processo de vendas era quase todo feito de forma presencial, mas a pandemia colocou a oferta online em evidência. Nos dados da CDL Lajeado, 40% das negociações começam ainda pelas redes sociais antes de concretizar na loja física. Em relação ao valor investido nos presentes, também houve uma mudança. O gasto médio que estava entre R$180 e R$ 200, caiu para R$ 120 a R$ 130, o que indica um comprador mais centrado.

Comércio não abre domingo

O indicativo para os próximos dias é de grande movimentação, com perspectiva de quase dobrar o movimento nas lojas na sexta e no sábado. Mallmann destaca que o fim de semana passado já foi de procura considerável por presentes. Ele ainda pontua o fato de muitas pessoas não terem recebido salário em agosto e a data cair logo depois do quinto dia útil.

Mesmo com este cenário favorável, o comércio em Lajeado não abrirá no domingo, com permissão para abertura somente até às 17h do sábado. Sindicomerciários e Sindilojas não fizeram convenção coletiva visando a data. “Podemos trabalhar cinco domingos por ano. Já foram usados alguns, mas agora para o Dia dos Pais não vai ter abertura das lojas”, confirma Mallmann.