A retomada da educação e o futuro dos gaúchos

Opinião

Gabriel Souza

Deputado estadual (MDB)

A retomada da educação e o futuro dos gaúchos

Por

Estado
Gustavo Adolfo 2 - Lateral vertical - Final vertical

Desde o início de 2020, cerca de 48 milhões de estudantes deixaram de frequentar presencialmente as mais de 180 mil escolas de ensino básico espalhadas pelo Brasil para evitar a contaminação pelo coronavírus. Esta é uma realidade que impactou o aprendizado e o futuro de uma geração inteira. Após discutir a questão em seminário com especialistas da área, a Assembleia Legislativa encomendou uma pesquisa, realizada pelo Instituto de Pesquisas de Opinião (IPO). O levantamento ouviu 1,5 mil gaúchos e confirmou o que pais e educadores já intuíam: o ensino remoto não supre as necessidades cognitivas dos alunos.

A pesquisa apontou graves problemas no aprendizado de crianças e adolescentes, especialmente para acompanhar as aulas remotas, percentual que chega a 70% dos consultados. Os obstáculos para um melhor aproveitamento têm três principais fatores: emocionais, materiais e técnicos cognitivos.

O ensino remoto não cumpre a tarefa de aprendizado dos alunos, os pais não querem seus filhos de volta às salas de aula, sentindo-se, naturalmente, inseguros. Mais da metade dos gaúchos acredita que a aula presencial deveria retornar somente após a vacinação de toda a população. E, também, quase 50% argumenta que as escolas estaduais não têm estrutura adequada para receber os alunos.

A partir dos números e da necessidade urgente de alterar essa realidade, o Legislativo trabalha para fazer a sua parte: tramita na Casa proposta para tornar lei o Programa de Incentivo à Infraestrutura da Educação” (PIIE), que prevê que empresas possam destinar parte do ICMS devido para auxiliar na retomada da qualidade do ensino no Estado.

Nas adversidades, presente e futuro se encontram. Desta maneira, a Assembleia Legislativa toma a frente e conclama a união de toda a sociedade civil neste momento de retomada. Nosso compromisso maior deve ser o de apoiar esta geração para que possamos minimizar os danos da pandemia não somente na vida dos alunos de hoje, mas na dos profissionais do futuro.