TMB, E-Log e o futuro

Opinião

Rodrigo Martini

Rodrigo Martini

Jornalista

Coluna aborda os bastidores da política regional e discussão de temas polêmicos

TMB, E-Log e o futuro

Por

Vale do Taquari
Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

A diretoria da TMB (Terminal Multiuso do Beato) visitou o Porto de Estrela em novembro de 2013. Atuante no Porto de Lisboa (e também em países da África), a empresa portuguesa possui a concessão de um terminal com 500 metros de comprimento de cais acostável e 20,5 mil m2 de área total, sendo um dos poucos terminais em Portugal com área coberta e que dispõe de armazéns para diversos tipos de mercadorias. Entre esses, produtos agro-alimentares a granel, armazenados em temperatura controlada, de carga unitizada ou carga geral. E os portugueses queriam investir no Vale do Taquari. Entretanto, o negócio afundou com a troca do governo estadual.
O grupo português acenava com investimentos iniciais na faixa de R$ 300 milhões. O engenheiro da TMB, Joaquim Moreira, também não demonstrava muita preocupação com o baixo calado do Rio Taquari, um problema histórico para as empresas nacionais de navegação. “As embarcações serão adequadas ao calado do rio. Não é preciso mudar o leito do rio”, disse ele, nos ambientes do Polartur Hotel. Meses depois, os empresários finalizaram um estudo de viabilidade técnica. Navegaram para cima e para baixo na nossa hidrovia. E também previam negócios de operação nos portos gaúchos de Triunfo, Pelotas e Rio Grande. Mas todos os planos encalharam.

Eu entrevistei o mesmo engenheiro anos depois, em Lisboa. Em 2018, o Caderno Tudo do Grupo A Hora abordou os bons exemplos em Portugal, Alemanha e Itália, o berço da nossa colonização. Joaquim Moreira reafirmou todas as intenções anunciadas em 2013, e confirmou até mesmo as promessas reforçadas em fevereiro de 2017, durante nova visita do grupo ao Porto de Estrela. Porém, ele foi claro ao afirmar que a mudança de governo estadual, logo após o pleito de 2014, e a recorrentes mudanças em cargos de chefia e confiança nas autarquias responsáveis pelas hidrovias assustaram os portugueses. E a insegurança fez naufragar o empolgante projeto.

Com a Empresa Pública de Logística Estrela (E-Log), e com base na cultura nacional, a tendência é haver mudanças de quatro em quatros anos em toda a Diretoria Executiva, tudo por meio de um simples decreto do prefeito municipal. E isso deveria ser melhor avaliado entre todas as partes envolvidas e, especialmente, entre as partes interessadas no tema. Ainda há tempo. Se os vereadores estrelenses obedeceram à pressa para aprovar a criação da E-Log, os líderes locais e regionais precisam ter pressa para realinhar eventuais ruídos nesta importante navegação.

PP x MDB

O plenário da Câmara de Lajeado está dividido. Faz algumas semanas, um grupo de vereadores decidiu colocar cada partido de um lado da bancada. Na fotografia, o MDB está à direita, com acréscimo de Adriano Rosa (PSB). E o PP, com o acréscimo involuntário de Sérgio Kniphoff (PT) e voluntário de Paula Thomas (PSDB), está à esquerda. Alguns parlamentares não gostaram da nova divisão. Entre eles, Ana da Apama, que é do MDB. Mesmo assim, a relação de respeito mútuo parece seguir predominante no recinto.

A mais lembrada!

A Água da Pedra está cada vez mais consolidada como líder de mercado no Rio Grande do Sul. Pelo sétimo ano consecutivo, o produto da Bebidas Fruki é a marca mais lembrada pelos gaúchos na categoria Água Mineral do Top of Mind RS, da Revista Amanhã. A marca registrou 30,6% das citações dos consumidores. Um merecido reconhecimento!

Defesa Civil Regional

O Vale do Taquari segue fortalecendo as ações conjuntas entre as Defesas Civis municipais. Hoje, o grupo de representantes se reúne para a 2ª reunião desde o início das tratativas regionais, com foco nas ações de identificação e mitigação de desastres naturais na região. O encontro ocorre às 14h, na sede do CRPO, em Lajeado, e terá a participação do Gerente de Hidrologia e Gestão Territorial da Superintendência de Porto Alegre da CPRM – Serviço Geológico do Brasil.

Bike Solidária

A Associação Lajeadense Pró-Segurança Pública (Alsepro) participa do 2º Prêmio Fundação Grupo Wolkswagen. A edição de 2021 tem o foco nas organizações sem fins lucrativos que atuam nas áreas de Mobilidade Urbana, Mobilidade Social e Inclusão de Pessoas com Deficiência. O prêmio é de R$ 100 mil e a Alsepro participa com o inovador projeto “Bike Solidária”, que visa a reforma de bicicletas recuperadas e esquecidas no pátio da Delegacia de Polícia, e a posterior doação para alunos de comunidades carentes. Um projeto que merece todas as distinções possíveis à entidade que já beneficiou mais de 12 mil pessoas com outros tantas ações voltadas ao bem coletivo.

Futuro do DAER

A câmara de Lajeado aprovou o instigante PL do Executivo que prevê a incorporação pelo município do valioso imóvel do DAER, localizado na esquina da Av. Benjamin Constant com a Travessa Schmidt. Em troca, o governo vai custear ampliações e viaduto na ERS-130, próximo ao trevo da BRF, além de quitar R$ 4 milhões em dívidas do Estado na área da saúde. Apenas o vereador Sérgio Kniphoff (PT) votou contra a matéria. Já os vereadores favoráveis debateram muito sobre o futuro do prédio. E não há consenso. Aliás, essa resposta é aguardada em diversos cantos do Rio Grande do Sul…