A Inovação na Oncologia

Opinião

Hugo Schünemann

Hugo Schünemann

Médico oncologista e diretor técnico do Centro Regional de Oncologia (Cron)

A Inovação na Oncologia

Por

Atualizado segunda-feira,
26 de Julho de 2021 às 09:54

Lajeado
CRON - Campanha Institucional - Lateral vertical - Final vertical

Poucas áreas do conhecimento médico expandiram-se tão rápido e de forma tão eficiente quanto à oncologia. Ainda que não tenhamos, no momento, todas as respostas a todas as nossas dúvidas, muito evoluímos nos últimos 30 anos.

Doenças que até há pouco tempo não tinham nenhum tratamento previsto, agora são possíveis de cura. Situações que simplesmente eram incompreensíveis, hoje, além de explicadas, encontram tratamento e cura.

Nosso entendimento sobre as doenças, sobre a célula em si, sobre seus aspectos genéticos e sobre como isso tudo atua no surgimento e propagação do câncer, trouxe-nos a perspectiva de como enfrentar a doença e de como desenvolver novas estratégias e remédios, para tratar a doença. O salto foi gigantesco!

E o processo não para. De tão intenso que está acontecendo, têm-se dificuldades de acompanhar em tempo real os novos passos na direção da cura definitiva do câncer, que deve acontecer num espaço de tempo relativamente curto, num futuro próximo.

Um dos grandes congressos mundiais no setor, o Congresso Americano de Oncologia, que chega a reunir mais de 40 mil oncologistas do mundo todo, reforçou os resultados de novos tratamentos e de novas drogas para enfrentar a doença.

O esforço mundial no combate ao câncer, porém, foi eclipsado pela covid-19, doença que assolou o planeta nos últimos 15 meses. Mas, a vacinação em massa vem mostrando resultados otimistas nos gráficos do combate a covid. Poderemos, logo mais, voltar a concentrar esforços no enfrentamento do câncer, ver resultados positivos em novos estudos e ver o surgimento de novos remédios para o combate ao câncer.

Entretanto, tratar pessoas portadoras de doenças malignas tem várias faces. Se por um lado há incontestáveis especialistas usando recursos gigantescos, lutando diariamente na busca de uma solução para o problema, do outro lado, temos o paciente. O paciente a ser acometido pela doença é o pai, o filho, o irmão, o amigo de alguém. Ele é o centro de todo o esforço feito para controle do câncer. É quem justifica e dá legitimidade a tudo que é feito nesta área.

No CRON, buscamos isso tudo. Melhores tecnologias, melhores tratamentos, resultados alinhados com o que há de mais atual, mais moderno, sem esquecer o que realmente é importante: o paciente. Todo esforço feito por nós é para o paciente.

Porque, no fundo, o que todos nos queremos é viver plenamente.