Proposta de mudança causa embate entre municípios

Local do pedágio

Proposta de mudança causa embate entre municípios

Ideia de Cruzeiro do Sul de transferir cobrança para o limite com Mato Leitão gera impasse entre cidades. Secretário estadual de Parcerias indica produção de um estudo de viabilidade sobre novo local às cancelas

Por

Proposta de mudança causa embate entre municípios
Na visita a Cruzeiro do Sul, líderes locais apresentaram a proposta de transferência da praça de pedágio para a divisa com Mato Leitão (Foto: Divulgação)
Vale do Taquari
Tudo na Hora - Lateral vertical - Final vertical

A sugestão apresentada por Cruzeiro do Sul de levar a praça de Boa Esperança à divisa com Mato Leitão estabelece uma crise entre os municípios. O responsável pela articulação do plano de concessões, Leonardo Busatto, inclusive esteve na região na tarde de terça-feira.

Se reuniu com representantes de Cruzeiro do Sul e garantiu que técnicos do Estado farão um estudo de fluxo e de impacto sobre sugestão de levar a praça à divisa com Mato Leitão. Mas antes disso, é preciso haver um entendimento entre os prefeitos das duas cidades, ressalta.

O encontro às margens da RSC-453 foi na sequência da assinatura do repasse da ERS-287 à iniciativa privada ocorrida em Santa Cruz do Sul. “Havíamos combinado de ouvir a proposta e isso viemos fazer. Vamos conversar com todos, mas primeiro, inclusive disse ao prefeito Dullius (João, de Cruzeiro do Sul) é que não vamos gerar uma disputa entre os municípios”, adverte Leonardo Busatto.

Segundo ele, o Estado pode ajudar na mediação, no entanto, a decisão será dos prefeitos. “Não queremos conflito. Ideal é uma posição unificada”, reforça.

Quanto ao prefeito de Cruzeiro do Sul, João Dullius, a ideia é aproximar o diálogo com Carlos Bohn, gestor de Mato Leitão. “Da forma que está, estamos sendo prejudicados. Também não queremos repassar o problema. Por isso, sugerimos levar a praça à divisa.”

Além do prefeitos, líderes locais e servidores públicos apresentaram informações sobre o número de comunidades impactadas pelo pedágio atual. A principal reclamação se sustenta no término das isenções para moradores próximos.

“Precisamos de uma alternativa”

Para Dullius, os anos de praça na localidade de Boa Esperança precisam ser considerados. “Hoje não queremos pedágio. Já fomos muito prejudicados. Precisamos de uma alternativa.” A partir desta ideia, se formulou a proposta para a praça na divisa. O ponto fica no acesso secundário para Mato Leitão.

De acordo com ele, esse seria o melhor, pois há menos famílias e prejuízos nos deslocamentos internos. “Hoje, para nós, isso é o mais coerente. Não é prejudicar Mato Leitão, mas ter algo intermediário.”

Sem acordo, diz Bohn

O prefeito de Mato Leitão, Carlos Bohn, critica o encaminhamento de Cruzeiro do Sul. “Em nenhum momento conversaram conosco. Nos informaram disso após apresentarem a ideia para o Estado.”

Na avaliação dele, o próprio estudo técnico da Secretaria de Parcerias mostrará a inviabilidade dessa proposta. “Um pedágio ali vai interromper dois acessos de Mato Leitão. Não aceitamos pois não há viabilidade.”

O prefeito afirma ter conversado com o secretário Busatto e reforçado a posição do município. “Se trata de uma intenção só de Cruzeiro.” Para auxiliar na mediação, estuda-se a possibilidade de uma reunião entre os dois prefeitos e o governo do Estado para a metade de agosto.