“Para tocar violino, é preciso muito estudo diário”

Abre aspas

“Para tocar violino, é preciso muito estudo diário”

Gilson Zatti, 30, é natural de Marau e hoje mora em Lajeado. Aos 10 anos, aprendeu a tocar violino. Hoje é professor de instrumentos de corda e integra a orquestra da Congregação Cristã no Brasil

Por

“Para tocar violino, é preciso muito estudo diário”
Foto: Arquivo Pessoal
Vale do Taquari
Tudo na Hora - Lateral vertical - Final vertical

Como você começou a tocar violino?
Eu ia na igreja com meus pais desde pequeno e admirava aquele som. Ficava imaginando como era possível produzir aquele som maravilhoso. Um dia, durante uma visita, vi um violino de brinquedo. Quando peguei ele, simplesmente coloquei no ombro e eu consegui tirar uma partitura muito linda, que faz parte do hinário da Congregação Cristã no Brasil. Todos ficaram espantados. Naquela época meus pais compraram meu primeiro violino.

O que te motiva a continuar tocando o instrumento?
Sempre penso em dar o meu melhor, em tocar as pessoas através daquela energia musical. Não importa o tamanho do público. O que importa é aquele momento. Tenho que dar o meu máximo. Apenas tocar notas, sem sentimento, sem expressão, é como se você tocasse sem a minha alma.

Quais foram os principais desafios em aprender as técnicas musicais?
Para tocar violino é preciso muito estudo diário. Meu maior desafio foi aprender. Quando comecei, passei por algumas pessoas com boas intenções em ajudar, e sou eternamente grato pela disponibilidade delas. Tive a oportunidade de ir estudar no Paraná durante 40 dias. Estudava em torno de 2 a 3 horas por dia. Mas não foi como uma aula presencial. A pessoa que me ensinou, precisava trabalhar e eu ia junto com ele no salão de beleza. Enquanto ele ia cortando os cabelos dos clientes, eu ia arranhando um som no fundo. Quando eu colocava o dedo em local errado, ou desafinava, ele só dizia pra mim: essa nota está muito alta, baixa ela, coloca o dedo mais pra frente, ou pra trás. Depois disso continuei meus estudos praticamente sozinho. Consegui tocar cada vez melhor e conquistei muitos alunos a partir disto. Tenho alunos em diversas cidades, mas foi em Lajeado que achei minha vocação em ensinar, seja presencial ou online. É o que eu amo fazer.

Você tem alguma dica para quem quer começar a tocar violino ou outro instrumento?
Cada professor tem a sua forma de ensinar. A minha é primeiro saber qual a intenção do aluno em aprender aquele instrumento. De nada adianta aprender um instrumento se você não tem uma meta ou um propósito com ele, pois só assim irá começar a traçar seus objetivos. Sobre meus alunos, exijo deles o seu melhor em cada partitura estudada, cada arcada, cada dedilhado. A dica é estudar na frente do espelho, assim verá seus próprios erros e aprenderá a consertá-los.

O que a música significa para você?
A música é o que me motiva a continuar, a todos os dias dar aulas, aprender ensinando. Cada aluno é diferente, cada um tem seu tempo de aprender e devemos respeitar isso. Quando toco meu violino e vejo as pessoas admirando aquele som, por mais que sempre saia uma nota desafinada, dou meu melhor ali.