“Gostamos de chegar nas cidades pelo subúrbio para ter a noção de como a vida é”

ENTRE ASPAS

“Gostamos de chegar nas cidades pelo subúrbio para ter a noção de como a vida é”

A professora universitária Elisabete Barreto Müller conta suas experiências ao viajar de kombi por estados brasileiros e países da América do Sul na programação da Rádio A Hora 102.9

Por

“Gostamos de chegar nas cidades pelo subúrbio para ter a noção de como a vida é”
(Foto: Divulgação)
Vale do Taquari
BRDE - Lateral vertical - Final vertical

O programa Frente e Verso, da Rádio A Hora 102.9, conversou com a professora universitária e delegada aposentada Elisabete Barreto Müller, na manhã de terça-feira, 11. Em seu comentário semanal, contou suas viagens de kombi pelo Brasil e pela América, com a família.

“É uma grande convivência. Dentro daqueles limites precisamos aprender a solucionar conflitos na prática, a importância do diálogo, de ouvir e ter paciência. Saber lidar com os imprevistos”, conta Elisabete. De acordo com ela, os momentos servem para que a família passe mais tempo unida.

(Foto: Divulgação)

Ela destaca que quase todo o território gaúcho foi visitado. Uma rota internacional já foi feita, que começou no Brasil e passou pela Argentina e Paraguai. Além disso, já conheceu Bonito, no Mato Grosso, e viajou por vários estados brasileiros até chegar na Bahia. A cultura de uma comunidade indígena também foi vivenciada por eles, no Chile. A viagem mais longa foi para Ushuaia, na Patagônia. O percurso demorou um mês para ser realizado.

“Escolhemos locais com bastante natureza como parques de conservação para que a gente consiga prestigiar essas iniciativas de preservação do meio ambiente. Além disso, roteiros que valorizam a cultura e América latina. Gostamos de chegar nas cidades pelo subúrbio para ter a noção de como a vida é, passar por estradas de chão”, pontua.

Segundo a professora, o Brasil começa a se preocupar com lugares para acolher os turistas neste formato de ecoturismo. Para ela, essas viagens proporcionam o amor em família e à natureza. “É fazer coisas diferentes que irão nos deixar felizes. Devemos valorizar as coisas daqui”, salienta.

(Foto: Divulgação)

Conforme a professora, a vontade em conhecer vários lugares começou da tradição familiar do seu marido, André Müller. O veículo na cor branca, utilizado atualmente, foi adaptado para acomodar os quatro integrantes da família durante os passeios. Com o nome Ilce, a kombi possui até símbolo e bandeira: os “mão na mala”.

 

Ouça o comentário completo: