“O maior problema foi o fogo que agrediu concreto e aço”

CONCLUSÃO DAS OBRAS

“O maior problema foi o fogo que agrediu concreto e aço”

Diretor técnico da empresa que realizou estudos e reparos sobre a ponte do Arroio Boa Vista participou de entrevista para falar sobre reformas feitas na estrutura que está prevista para ser liberada nesta terça-feira

Por

“O maior problema foi o fogo que agrediu concreto e aço”
(Foto: Ana Carolina Becker)
Vale do Taquari
Imec - Lateral vertical - Final vertical

Diretor técnico da empresa que realizou estudos e reparos sobre a ponte do Arroio Boa Vista participou de entrevista para falar sobre reformas feitas na estrutura que está prevista para ser liberada nesta terça-feira

A CCR Viasul confirmou que a liberação da ponte sobre o Arroio Boa Vista para esta terça-feira, 4. Até o momento, o trânsito de veículos na ponte norte, sentido capital-interior ainda não foi liberado.

A reforma levou 52 dias, após a explosão do caminhão-tanque sobre a estrutura. Em entrevista ao programa Frente e Verso, da Rádio A Hora 102.9, o diretor técnico da Portland, Fernando Schneider, empresa responsável pelos estudos e reformas da estrutura falou sobre o trabalho feito no local.

A manutenção, conforme ele, foi feita na parte inferior da ponte. Na ponte sul, sentido interior-capital, passou por melhorias no pilar. “Por isso no início o trânsito segui por acostamento, porque queria se jogar a carga sobre o pilar que estava condenado”, comenta.

Já a ponte mais antiga, no sentido contrário, precisou passar por um reforço estrutural na pista. “O impacto do caminhão foi grande, o maior problema foi o fogo que agrediu o concreto e o aço”, diz. Em função disso, precisou ser feita uma armadura no pilar, uma espécie de encamisamento com produtos de alto desempenho para que em 48 horas o trânsito pudesse ser liberado.

Ouça a entrevista na íntegra