Chico e o vinho

opinião

Hugo Schünemann

Hugo Schünemann

Médico oncologista e diretor técnico do Centro Regional de Oncologia (Cron)

Chico e o vinho

Por

Vale do Taquari
Imec - Lateral vertical - Final vertical

Já contei aqui do macaco Chico, um mico prego, extremamente inteligente e rei das fugas lá no sitio. Muito esperto, observador e ágil, foi disparado o macaco que mais fugiu no criadouro, sendo recapturado em todas elas em pouco tempo. Numa das fugas, após sete dias, ele veio aos pés do tratador e se entregou, entrando espontaneamente em seu viveiro.

Mas, houve uma fuga em que Chico sumiu. No final do dia, um proprietário de um restaurante das proximidades, visivelmente irritado, ligou para avisar que Chico estava lá, e obvio que havia feito uma festa… Recolhido o macaco aos seus aposentos, fui ao restaurante acertar o prejuízo, e entre os itens discriminados estava um garrafão de vinho. Achei muito exagerado, mas como o dono do restaurante estava muito incomodado, deixei por isso mesmo. Macaco não tira rolha de garrafão, pensei.

Passou um tempo e Chico se feriu em uma briga com outro macaco. Brigas por territórios e fêmeas são comuns entre primatas e podem ser violentas. Chico estava ferido e precisava de curativos. Coloquei-o numa gaiola e levei-o comigo para Porto Alegre, em meu apartamento, onde eu mesmo podia fazer os curativos. Pareceu uma boa ideia. Pareceu.

Ao final do dia, sedava o querido Chico e trocava o curativo. Era simples. Em uma semana ele deveria estar de volta ao criadouro. Pareceu uma boa ideia, até que um dia, minha esposa e filhas estavam na frente do prédio, furiosas. Chico fugiu, dentro do apartamento. Ao entrar no apartamento, Chico havia revirado tudo. E lá estava ele, em um canto da cozinha, com um garrafão de vinho que eu havia ganho de um paciente, bebendo. Isso mesmo. Chico abriu o garrafão de vinho e estava bebendo. Pegá-lo foi fácil. Prendê-lo foi simples. Levá-lo de volta ao sítio foi exigência da esposa…
Chico mora feliz com outros macacos. Chico não bebe mais, e não foge mais.

Suas fugas ensinaram-nos a lidar com estas situações no criadouro, e providenciar equipamentos de captura. A veterinária vai semanalmente para verificar a saúde dos animais, onde há um pequeno hospital para seu uso.
Chico grita e ri ao me ver. Ele é especial.

Chico não bebe mais, mas aprontou outras…