“A arte precisa insistir no poder da transformação”

Abre aspas

“A arte precisa insistir no poder da transformação”

Natural de Teutônia, Isoldi Roloff, 55, encontrou na arte uma forma de valorizar a região e despertar emoções nas pessoas. A artista plástica, que hoje reside em Arroio do Meio, trabalha atualmente como cuidadora de idosos, mas encontra tempo também para se dedicar ao artesanato

Por

“A arte precisa insistir no poder da transformação”
(Foto: Divulgação)
Vale do Taquari
Imec - Lateral vertical - Final vertical

Quando despertou o seu interesse pela arte?
Nos tempos de escola Cenecista, ouvindo atentamente as aulas sobre as civilizações antigas, pesquisas e na primeira visita ao Margs (Museu de Arte do RS), lá por 1977. A primeira visita à um museu a gente nunca esquece.

Como foram seus primeiros trabalhos como artista plástica?
Depois da faculdade, dei início à expressão de valorizar as pessoas daqui da região, mostrando na pintura ofícios, arquitetura local e paisagem que ressalta o turismo. Privilegiei as crianças, pintando uma grande obra para o Hospital Ouro Branco, de Teutônia, na ala pediátrica do SUS, trazendo encantamento, cor, vida e alegria, através dos contos de fadas e personagens de histórias em quadrinhos. Pintei murais trazendo paisagens de minha terra natal e depois o Shopping Lajeado me contratou para fazer 80% da arte vista pelo público. Foi muito especial a interação com o público. Foram vários anos de muito trabalho com pincéis.

O que uma obra de arte deve ter para despertar a atenção e interesse das pessoas?
As obras devem trazer emoções, não importam quais. Deve trazer verdade, instigar, sensibilizar, emocionar, fazer pensar e não importa ter ou não “beleza” estética. A arte precisa insistir no poder da transformação. Ela chama atenção quando denuncia nossas mazelas, as coisas erradas que o ser humano faz pelo mundo. Antes da pandemia, aconteceram nos EUA movimentos de lutas pacíficas contra o racismo, que se espalharam pelo mundo. A arte não ficou estacionada. Artistas do grafite já denunciavam em seus murais o racismo. Tudo fica mais intenso, forte, vibrante e pulsante quando a arte mostra a energia de tudo que podemos mudar para viver numa sociedade mais justa.

O que mudou no trabalho de um artista plástico nos últimos anos, com a chegada das novas tecnologias?
Penso que o artista pode começar a desenvolver um processo criativo no computador e depois expandir para as telas e grandes murais. Arte nem sempre precisa ser tátil como pinturas e esculturas. A partir de um desenho feito a carvão ou com uso de tintas, posso fotografar, posso produzir arte digital, ou seja, uma infogravura, posso projetar imagens em grandes dimensões. Visitar bienais de artes visuais é tudo de bom para ter experiências sensoriais inesquecíveis.

Hoje você se dedica mais a cuidar de idosos, mas encontra tempo para o artesanato. O que você mais gosta de confeccionar?
Quando estou cuidando de um paciente ou de idoso, não tem como ficar com mente e mãos ociosas. Meu ser criativo está sempre inquieto e trabalhando. Carrego crochê junto, crio padrões em peças exclusivas com design que eu crio na linha decorativa e utilitária, todos em fio de malha. Em minha casa, crio peças bem maiores como mandalas em crochê e outros itens da minha marca “Jeito de Ser” e caminhas para pets da minha marca “Peludo’s Bed House”, todos em fio de malha, produto 100% reciclado. Ou seja, o que seria lixo, vira luxo. Artesanato é algo tão puro, tão folclórico, que ensina gerações, coisa que está no DNA.