Policiais são afastados após morte de haitiano

Em Arroio do Meio

Policiais são afastados após morte de haitiano

Brigada Militar foi acionada para tentar evitar suicídio. Vítima teria entrado em confronto com os agentes. Corporação instaurou inquérito

Por

Policiais são afastados após morte de haitiano
Haitiano morava em peça nos fundos da casa de Hilgert. Ele acompanhou a ação policial na noite de segunda-feira (Foto: Fábio Kuhn)
Arroio do Meio
Imec - Lateral vertical - Final vertical

Ação policial para tentar impedir uma tentativa de suicídio resultou em confronto seguido de morte.
Na noite dessa segunda-feira, 5, a Brigada Militar (BM) foi acionada para atender a ocorrência na rua Maurício Cardoso. Conforme relatos de vizinhos, um haitiano, em surto psicótico, tentava tirar a própria vida com uma garrafa quebrada dentro de casa. Ao entrar na residência, um dos agentes teria sido atingido pelo homem. Houve confronto que resultou na morte do estrangeiro.

O titular do Comando Regional de Policiamento Ostensivo da região (CRPO-VT), Douglas Soares, afirma que abriu investigação sobre o caso que “fugiu do normal”.

Quatro policiais, que realizaram o uso da força, foram afastados. Eles permanecerão fora de atividade até que a apuração dos fatos seja concluída. Há a possibilidade dos agentes retornarem em outras funções.
Conforme o comandante, o inquérito vai durar, pelo menos, 40 dias.

Duas horas de negociações

O haitiano residia com outro estrangeiro em uma peça alugada nos fundos da residência de Galmir Hilgert, 53. Ele estava no local há cerca de 15 dias, informa o locador. “Não conhecia muito e só troquei poucas palavras com ele”, comenta.

Conforme Hilgert, por volta das 17h30min, um dos haitianos o alertou da tentativa de suicídio do amigo. A polícia foi chamada. Hilgert e outros moradores próximos acompanharam a ação policial nas ruas.

Por volta das 19h20min, foram ouvidas duas sequências de disparos de arma de fogo, conta. Depois, o haitiano foi levado em uma maca para fora da casa. “Naquele momento, ninguém falou que ele havia morrido. Fiquei sabendo só no outro dia”, afirma.

Policiais teriam sido surpreendidos

Em entrevista à Rádio A Hora 102.9, na manhã de terça-feira, 7, o delegado de Arroio do Meio, Humberto Röehrig, conta que o haitiano surpreendeu a BM.

“O rapaz estava dentro de casa quando a BM iniciou a negociação e, nesse momento, ele estava com um ferimento no pescoço. A guarnição ouviu barulho dentro da residência e pensou que ele estava desacordado. Ao entrar na casa, ele se levantou e investiu contra os policiais”, explica.

Ele ressalta que a BM entrou na casa com a utilização de escudo balístico. “Um dos policiais foi ferido e, na tentativa de cessar, foi feito o uso progressivo da força. Foi feito o uso de arma não letal com três disparos, mas, mesmo assim, a agressão não acabou e esse rapaz continuou atacando os policiais e eles não tiveram como não optar pela arma letal”, esclarece.

Atitude extrema

O delegado mencionou a possibilidade do caso se tratar de um “suicide by cop” – “suicídio por policial”, na tradução livre. Conforme a literatura policial, é quando a pessoa comete crimes de modo a forçar um agente de segurança a atirar para matar.

Conforme o delegado Röehrig, pessoas ligadas ao indivíduo relataram que ele havia sido desligado de seu emprego e era sozinho, o que pode ter o levado a uma atitude extrema.

O homem foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e encaminhado ao hospital de Arroio do Meio, mas não resistiu aos ferimentos.