Mais de 1,8 mil cestas básicas são entregues para famílias de alunos

ESTRELA

Mais de 1,8 mil cestas básicas são entregues para famílias de alunos

Secretaria de Educação utilizou recursos da merenda escolar para aquisição de mantimentos

Por

Atualizado quarta-feira,
07 de Abril de 2021 às 15:15

Mais de 1,8 mil cestas básicas são entregues para famílias de alunos
Sandra Ribeiro tem quatro filhos matriculados na rede municipal. (Foto: Rodrigo Angeli)
Estrela
CRON Previne - Lateral vertical - Final vertical

A Secretaria Municipal de Educação (Smed) de Estrela realiza nesta quarta-feira, 7, a entrega de 1.830 cestas básicas a famílias que possuem membros matriculados na rede municipal de ensino, seja na Educação Infantil, Ensino Fundamental ou na Educação de Jovens e Adultos (EJA). Os recursos para a iniciativa vieram dos valores que seriam empregados na compra dos alimentos utilizados na elaboração da merenda escolar diária quando ocorrem as aulas presenciais, mas que no momento estão suspensas.

O projeto da Smed atendeu a uma proposta de indicação e respaldo do Poder Legislativo, e que tem como objetivo ajudar famílias que tiveram sua situação social agravada com a pandemia. Muitas crianças e jovens, sem a realização das aulas presenciais, perderam a principal fonte de alimentação diária: a merenda realizada entre amigos nas 21 escolas municipais.

A aquisição se deu através de licitação. Para distribuir uma cesta a todos os alunos matriculados seria necessária o dobro, mas a Smed, com o objetivo de atender quem de fato momentaneamente mais necessita, realizou uma
consulta junto às famílias: mais de 50% delas abriu mão do direito, com o objetivo de colaborar com a iniciativa, ainda mais se considerado o fato de que muitas famílias têm mais de um filho estudando na rede
municipal.

“Temos matriculados nas escolas do município mais de 3,5 mil crianças e jovens de famílias nos mais diversos contextos sociais, além dos adultos do EJA. Das mais carentes àquelas em boa situação econômica, ou que até este momento de pandemia também estavam em posição confortável, e não mais tanto”, explica a secretária Elisângela Mendes.

“Vale destacar que cada aluno matriculado tem o direito a uma cesta. Por isso há casos de famílias que receberão mais de uma.” A repetição da ação caso as aulas presenciais sigam suspensas não está descartada.

Solange Bairros, aferindo a temperatura antes de pegar a sua cesta. Foto: Rodrigo Angeli

Solange Bairros foi cedo buscar a sua única cesta na Escola Municipal de Educação Infantil (Emei) Raio de Sol, uma das menores da cidade, no Bairro Oriental, sendo que a entrega ocorrerá até às 18h. Antes de entrar na escola, passou álcool gel, aferiu a temperatura e manteve o distanciamento social das funcionárias. “Essa ajuda vai ser muito importante. Só voltei a trabalhar agora e só vou receber meu salário no fim do mês”, justifica.

A Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Odilo Afonso Thomé é uma das maiores do município, com mais de 300 alunos. Também é a que mais recebeu cestas para distribuir: 248. Oito delas tiveram como
destino apenas dois lares em situações bastante parecidas.

Sandra Ribeiro tem quatro filhos matriculados. Está desempregada e tem como renda mensal a verba das bolsas de auxílio do Governo Federal. “Vai me dar uma força muito grande este mês. Só não vou ter força pra levar pra casa estas cestas sozinha para casa. Só vim eu e meu filho menor. Vou esperar a chegada da minha filha mais velha para me ajudar”, afirma.

Márcia Silva, surpresa com as quatro cestas. Contou com a ajuda do namorado para, de carroça, levar os alimentos para casa. Foto: Rodrigo Angeli

A situação de Sandra não é muito diferente da de Márcia Silva. Tem sete filhos, sendo que cinco ainda moram com ela, e quatro deles estudam, todos na Odilo. Márcia ficou surpresa quando assinou o protocolo de retirada da benfeitoria. “Pensei que fosse só uma cesta. Vou poder levar quatro. Nossa! Que bom que meus filhos estudam”, afirmou ela, que também está sem trabalho, tem como fonte de renda bolsa auxílio e pensão. “Conto também com a ajuda do meu namorado”, frisou. E foi ele que, de carroça, ajudou Márcia a levar para casa a solidariedade extra e fundamental do mês.