A inovação aberta como impulsionadora aos negócios

opinião

Cíntia Agostini

Cíntia Agostini

Vice-presidente do Codevat

Assuntos e temas do cotidiano

A inovação aberta como impulsionadora aos negócios

Por

Vale do Taquari
Tudo na Hora - Lateral vertical - Final vertical

Nessa semana que comemoramos 2 anos do Pro_Move Lajeado, que estamos a pleno trabalhando o Inova RS Região dos Vales, também é o período no qual muitos municípios estão discutindo o tema da inovação e tantos atores se emparceiram para construir projetos e ações inovadoras. É muito bom ver frutificar projetos e negócios com essas características: criativos, inventivos e colaborativos. E é nessa toada que sempre precisamos fortalecer que fazendo junto é sempre melhor, que fazer junto trará resultados melhores para todos e a inovação aberta é o conceito que está por detrás dessa perspectiva, ou seja, na inovação aberta as empresas se associam com universidades, institutos de pesquisas, colaboradores individuais, outras empresas e organizações e tantos outros atores do ecossistema de inovação, para levar adiante produtos, processos, serviços e modelos de negócios inovadores. Esses atores associam competências e esforços para gerar inovações que não poderiam ou teriam muitas dificuldades de serem criadas exclusivamente dentro de cada uma das organizações (STAL et al, 2014).

Levando em conta essa perspectiva, a nossa região e as empresas da nossa região avançam no entendimento e na valorização da inovação aberta, muitos negócios tornam-se parceiros entre si ou com institutos de pesquisa e universidades para agregarem valor aos seus produtos, fazerem melhor o que já fazem ou proporem para o mercado algo completamente diferenciado.
No entanto, é fundamental perceber que modelos de inovação aberta servem a todos, não somente às grandes empresas, mas também aos negócios nascentes e pequenos negócios, que possuem menos recursos, e por isso é tão ou mais necessário que se utilizem dos parceiros para avançar em projetos nos quais possuem interesse. Ou seja, pequenos ou grandes negócios podem inovar, podem melhorar continuamente, podem propor novos ou melhorar seus produtos, seus processos, seus serviços e seus modelos de negócios. Neste momento de pandemia, com uma crise de saúde pública que se tornou uma crise econômica e social, mais de que a qualquer tempo, todos os negócios são exigidos ao máximo e eu percebo claramente que é nesse momento também que encontramos oportunidades e através da nossa criatividade, construímos alternativas para nossos negócios e para os parceiros que estão conosco.

Os negócios, sejam estes pequenos ou grandes, que construíram possibilidades durante a crise, obtiveram e estão obtendo resultados que minimizam o impacto da pandemia ou, até mesmo, trouxeram resultados melhores que os anteriores. Tenho clareza também que isso não pode ser generalizado, mas é transparente o movimento mundial e que nos influencia regionalmente, de adequações de negócios, de inserção de tecnologias e de aprofundamento de mudanças rápidas e constantes em nossos negócios. Por isso e contando com isso, reforçar as conexões dos atores do ecossistema de inovação regional, promover a inovação aberta e permitir a todos participar desse processo é o que nos desafia e nos move para nos tornarmos uma região desenvolvida e inovadora.