Alice, a menina que conta histórias

Comportamento

Alice, a menina que conta histórias

Com apenas um ano, garotinha conquista a internet com sua inteligência e desenvoltura

Por

Atualizado segunda-feira,
22 de Março de 2021 às 14:52

Alice, a menina que conta histórias
Tudo na Hora 2 - Lateral vertical - Final vertical

Registrar os melhores momentos dos filhos é uma tarefa que muitos pais adoram fazer, principalmente nos primeiros anos de vida dos pequenos. Com o advento das redes sociais esse costume ganhou ainda mais força e as fotos e vídeos que antes eram enviadas somente à família e aos amigos, agora ganham destaque no “feed” de muitas pessoas.

Não importa em qual parte do mundo as crianças estejam, elas são capazes de ultrapassar fronteiras e viralizar os vídeos espontaneamente, com a sua fofura e inteligência. A exemplo, a pequena Alice Secco Schiller (1 ano e 10 meses) cativou a internet no último mês após ensinar exercícios físicos, explicar os “benefícios do brócolis” e, principalmente, contar histórias.

A ideia de compartilhar os momentos da garotinha no Instagram (@morganasecco) começou pelos pais. Por morarem em Londres desde 2017, a lajeadense e fotógrafa, Morgana Secco (37), e o engenheiro de computação, Luiz Gustavo Schiller (33), encontraram nas redes sociais uma forma de conectar a família brasileira à rotina europeia.

“Como moramos longe da nossa família, achei mais fácil centralizar tudo em um canal para todo mundo poder acompanhar como estava sendo nosso dia a dia e se sentir mais próximo”, conta Morgana.

O que eles não esperavam é que Alice conquistaria uma legião de seguidores, mais de 117 mil, em poucas semanas. “Eu recebia mensagens positivas de pessoas que estavam amando acompanhar os vídeos e conteúdos que compartilho. O crescimento estava sendo constante, mas lento. De uma hora para a outra, parece que todo Brasil descobriu que a gente existe”, revela.

A Alice sempre foi muito atenta e percebemos cedo que ela entendia tudo que a gente falava”

Contadora de histórias

Morgana conta que Alice é apaixonada por livros e o momento de leitura é uma atividade natural para ela. Mas o que realmente chama a atenção dos pais e seguidores é a facilidade com que a menina decora as histórias e consegue contá-las, fielmente, com riqueza de detalhes e vocabulário.

“A Alice sempre foi muito atenta e percebemos cedo que ela entendia tudo que a gente falava”, contam os pais. Por não ter muito contato com outras crianças, inicialmente a família achava natural a evolução da garotinha.

Somente após completar 1 ano e 3 meses, quando a pequena começou a falar frases mais complexas e repetir trechos dos livrinhos, que Morgana e Luiz Gustavo perceberam o dom de Alice.

“Além da fala precoce, ela tem uma memória muito boa. Mas outra habilidade que nos chamou a atenção foram os desenhos, com formas e composições bem além das esperadas para a idade”.

Importância do Estímulo

Questionados sobre Alice ser uma criança prodígio, os pais rebatem e afirmam que a menina é apenas precoce. Para eles, o fato de a pequena receber atenção contínua, por estarem trabalhando home office, pode ter contribuído para o seu rápido desenvolvimento.

“Nós sempre demos muita liberdade para ela explorar o que mais gosta, auxiliando quando sentimos que ela precisa e deixando-a explorar sozinha, sempre que possível”.

Embora faça sucesso nas redes, Alice não conhece muito bem esse universo, pois não tem acesso a celulares, televisores ou computadores. As histórias que ela aprende se originam dos livrinhos, que ajudam Morgana e Luiz Gustavo a desconstruir alguns estereótipos com a filha. Além disso, eles contam que têm o costume de conversar e explicar as situações à garotinha, sem inventar situações ou desculpas.

O fato do desenvolvimento precoce da Alice se destacar nas redes atraiu muitos pais e especialistas para debater o assunto. “As pessoas ficam curiosas com a criação que damos a ela. E ao perceberem que não existe fórmula mágica, mas muita dedicação, paciência, atenção, empatia e respeito da nossa parte, acabam se inspirando”, afirmam.

 

———-

Desenvolvimento infantil

Cada criança tem o seu tempo para amadurecer e evoluir. Por isso, compará-las umas às outras é extremamente delicado. De acordo com a psicopedagoga, Ana Beatriz Reckziegel Marques, o desenvolvimento humano é um fator variável, construído a partir da interação do indivíduo com o seu meio e cultura.

Ana Beatriz Marques

O fato de algumas crianças possuírem maior facilidade no aprendizado e crescimento está relacionado ao bom desenvolvimento neurológico, social, cognitivo e emocional. Além disso, ter suas necessidades básicas atendidas, como alimentação, sono adequado e cuidados de higiene, são fatores que também fazem a diferença no futuro.

Tudo começa ainda no processo de formação do ser, durante a gestação. Por isso, o acompanhamento pré-natal é tão importante para mãe e filho. Após o nascimento, as experiências do dia a dia do bebê desempenham um papel importante.

“A exposição da criança a situações de estresse e outras adversidades, bem como a falta de estímulos, pode ocasionar prejuízos ou atrasos sérios e duradouros em seu desenvolvimento global”, explica Ana Beatriz, que destaca também a importância de atentar às questões de origem hereditária.

 

Como estimular as crianças

Acompanhar o desenvolvimento dos pequenos representa, para muitos pais, a desconstrução da ideia de disciplina recebida na infância. Afinal, as gerações mudaram e seus interesses também. Segundo Ana Beatriz, o importante é que o processo de educação e crescimento tenha como base o respeito, a empatia e promova a autonomia.

Embora desafiantes, existem alternativas para estimular a garotada em casa, de forma leve e saudável. Participar das atividades escolares, promover o diálogo e compreender a fase que o filho está vivenciando são importantes para a formação intelectual e social dos pequenos.

“Estar, realmente, presente na vida das crianças, ajuda com que elas se sintam conectadas, aceitas e capazes de contribuir com a família”.

 

Fases do desenvolvimento infantil:

  • Primeira Infância (0 a 2 anos): Todos os sentidos e sistemas corporais funcionam em graus variados. O cérebro aumenta em complexidade e é altamente sensível à influência ambiental. O crescimento físico e o desenvolvimento das habilidades motoras são rápidos. Nesta etapa a criança começa a ter noção de seu corpo, analisando seus membros e tendo conhecimento aos poucos de sua movimentação.
  • Segunda Infância (3 aos 7 anos): Fase do desenvolvimento cognitivo , na qual as crianças começam a processar informações do mundo. Elas também são capazes de entender a ideia de passado e futuro, e interpretar as coisas simbolicamente. Desenvolvem processos como pensamento, raciocínio, atenção, a imaginação, a memória, linguagem e resolução de problemas.
  • Fase de desenvolvimento cognitivo (7 aos 11 anos): Nesse estágio, as crianças se tornam mais conscientes do sentimento dos outros e dos eventos externos. Elas se tornam menos egocêntricas, começando a entender que nem todos compartilham seus pensamentos, crenças ou sentimentos. Para Piaget, esse estágio é um grande ponto de virada no desenvolvimento cognitivo da criança, pois marca o início do pensamento lógico ou operacional.