Falta noção e empatia a uma parcela do futebol

opinião

Caetano Pretto

Caetano Pretto

Jornalista

Colunista esportivo.

Falta noção e empatia a uma parcela do futebol

Por

Vale do Taquari
Tudo na Hora 2 - Lateral vertical - Final vertical

Na situação em que o país se encontra atualmente, com o colapso da rede de saúde e a pandemia no seu pico, é lamentável vermos os exemplos negativos vindos do futebol. Primeiro que já está errado a CBF realizar a Copa do Brasil ou a Conmebol realizar a Libertadores, mas não é sobre isso que irei me ater hoje.

Desta vez falo dos casos oriundos de atletas e técnicos. O futebol, usado como política do pão e circo para entreter a população, faz com que os seus personagens pensem estar acima de qualquer situação. De qualquer lei. Quando na verdade eles deveriam ser os principais exemplos.

(Foto: Divulgação)

Destaco três casos ocorridos recentemente. Dois da Dupla Gre-Nal e um do Flamengo. No Inter, a polícia teve que intervir no condomínio do lateral Moisés, que realizava uma festa com mais de 50 pessoas. O clube pouco falou a respeito. No Grêmio, mais uma vez, assim como no ano passado, Renato foi visto nas praias cariocas jogando o seu amado futevôlei. Sem nenhuma máscara, proteção ou preocupação.

Por fim, o principal caso da semana. Gabigol, bicampeão brasileiro, campeão da Libertadores, principal jogador do futebol brasileiro nos últimos anos, foi pego em uma festa clandestina em um cassino com mais de 200 pessoas. Um ato que demonstra a falta de empatia e noção com o que o Brasil enfrenta hoje. O futebol, mais uma vez, demonstra estar desconexo da realidade do país.

Sempre bom lembrar

Ainda dá tempo de ajudar o Lajeadense na sua campanha de financiamento coletivo. Restando 31 dias para encerrar o período de apoio, o clube arrecadou R$ 1.340, por meio de 13 apoiadores, o que representa apenas 2% de sua meta de R$ 50 mil.

Assim como todos nós, o Lajeadense vive um período de incertezas. Precisa conviver com a pandemia e com a falta de futebol. A Divisão de Acesso está marcada apenas para o segundo semestre. Se é que ocorrerá. A terceira divisão, que iria começar em abril, foi adiada.

Nas vésperas de comemorar seus 110 anos, o Alviazul recorre mais uma vez à força da torcida e da comunidade regional. Para ajudar é simples, basta entrar no link e doar qualquer valor a partir de R$ 10. Eu já fiz minha parte!