“Não maternidade”: o que dizem os especialistas?

Saúde

“Não maternidade”: o que dizem os especialistas?

Ginecologista fala sobre as mudanças do comportamento feminino e a liberdade de decisão sobre ser mãe

Por

“Não maternidade”: o que dizem os especialistas?
Tudo na Hora 2 - Lateral vertical - Final vertical

Médica ginecologista, Ana Paula da Motta conta que o questionamento sobre a opção de ter filhos é frequente nas consultas. Hoje, vários métodos permitem que, mesmo mulheres que estão em dúvida sobre a não maternidade, tenham chances de engravidar no futuro.

Segundo a médica, essa evolução da medicina e do pensamento das mulheres, permite ainda mais liberdade de decisão ao universo feminino.

 

De acordo com os relatos de suas pacientes, quais são os principais motivos que as levam a decisão da não maternidade?

Os motivos são vários. Algumas mulheres dizem que simplesmente não se vêem sendo mães, não sentem vontade, consideram uma responsabilidade imensa criar um filho, entre outros.

Nos dias atuais, em que cada vez mais as mulheres participam ativamente do mercado de trabalho, a opção de não engravidar significa uma liberdade. As mulheres finalmente estão decidindo mais sobre os próprios destinos.

Sem dúvidas, quando ela decide não ter filhos, seja pelo motivo que for, tenho certeza de que a mulher pensou muito no assunto. Muitas vezes a decisão é do casal e, em parte, isso alivia a pressão que ela sofre. Hoje, ainda há cobranças por parte da família, dos amigos e da sociedade em geral sobre essa decisão.

A mulher tem uma certa desvantagem em relação ao homem nessa situação, pois o relógio biológico feminino não permite que ela mude de ideia mais adiante. Ainda que não impossível, com certeza é muito menos provável que ela consiga engravidar com mais idade, no climatério, quando os hormônios femininos estão em queda significativa.

 

Quais são os principais métodos que as mulheres recorrem para interromper a possibilidade da gravidez?
As mulheres que optam por não ter filhos, em geral, usam métodos anticoncepcionais eficazes e conseguem evitar a gestação não planejada. Quando eventualmente ela acontece, entramos em um outro assunto mais delicado, especialmente no nosso país onde o direito ao aborto é negado às mulheres.

 

Para aquelas mulheres que não têm certeza sobre a maternidade, qual o método mais indicado? A pílula anticonceptional é indicada?
Com certeza o anticoncepcional oral é um método contraceptivo seguro. No entanto, é comum a opção pelos anticoncepcionais conhecidos como LARC, que é uma sigla em inglês para “Long-acting reversible contraceptives”, o que em um tradução livre significa “Métodos Contraceptivos Reversíveis de Longa Duração”.

Estes têm sido muito valorizados devido a sua facilidade de utilização, alta eficácia na prevenção da gestação não planejada e longa duração de uso, assim como a sua reversibilidade.

Os LARC disponíveis são:
• Dispositivo intrauterino (DIU) de cobre ou prata
• Sistema intrauterino (SIU) medicado com hormônio
• Implante hormonal subdérmico

 

Na sua opinião, por que ainda é um “tabu” falar sobre a não maternidade?
A opção não ter filhos é vista por alguns com certo preconceito. A sociedade em geral ainda se incomoda com as mulheres que não querem trazer uma criança ao mundo e, lamentavelmente, muitas são vistas como pessoas egoístas por isso.

Penso que as mulheres estão inventando um novo jeito de viver, diferente do papel de mãe esperado para elas. Nesse contexto vemos a importância de se assegurar o direito de quem opta por não ter filhos e não quer ser julgado.