ARKI em Lajeado

opinião

Rodrigo Martini

Rodrigo Martini

Jornalista

Coluna aborda os bastidores da política regional e discussão de temas polêmicos

ARKI em Lajeado

Por

Vale do Taquari
CRON Previne - Lateral vertical - Final vertical

Após denúncias de que o Governo de Lajeado estaria utilizando a empresa terceirizada ARKI como uma extensão para os Cargos de Confiança (CC), o Ministério Público de Lajeado encaminhou uma “Recomendação” ao prefeito Marcelo Caumo. No despacho, o promotor de justiça Neidemar Fachinetto solicita que o Executivo “discipline os procedimentos para o preenchimento dos postos de trabalho mediante a elaboração de fluxo, rotina e regulamento próprio, com participação e anuência da Unidade Central de Controle Interno do Município”.

O MP também recomenda que o governo municipal “proceda na publicidade dos nomes, cargo/jornada e local de trabalho de todos os contratados através do Contrato de Prestação de Serviços” com a ARKI. O promotor também cobra ações da terceirizada. Entre essas, a realização de seleção pública, treinamento e capacitação dos contratados, e divulgação dos nomes no próprio site da empresa. O prazo para as adequações está próximo do fim. E o “desatendimento poderá implicar na adoção das medidas legais e judiciais cabíveis”.


CALAMIDADE

Apesar do avanço nas negociações e produção de vacinas, a população precisa manter os cuidados básicos de higiene e distanciamento social. Não podemos permitir ou participar de grandes aglomerações. Ontem, às 18h, o quadro da principal casa de saúde do Vale do Taquari era de “CALAMIDADE”. O Hospital Bruno Born (HBB) estava com seus 27 leitos de UTI Covid ocupados, e outros nove pacientes agonizando por uma nova vaga na unidade de tratamento intensivo.


Código de Edificações

Ontem, foi assinada a portaria que nomeia a Comissão de Revisão e Atualização do Código de Edificações de Lajeado. A equipe é formada por técnicos da Secretaria de Planejamento e Urbanismo (Seplan), representantes da Seavat e Sinduscon, além de outros três arquitetos voluntários.


SER

O governo de Lajeado encaminhou para a Câmara de Vereadores o projeto de lei que dá denominação de Escola Municipal de Educação Infantil SER – Saber, Educar e Respeitar para a creche localizada na Rua Arnoldo Uhry, no bairro Santo Antônio, e que foi concluída em junho de 2020. A construção foi realizada com recursos próprios do município e possui capacidade para atender 244 crianças de quatro meses até cinco anos de idade.


Ventiladores

Na coluna do fim de semana, escrevi sobre a compra de seis ventiladores para respiração mecânica em Lajeado, que serão repassados ao Hospital Bruno Born (HBB) para o combate à covid-19. Os recursos são da administração municipal. Citei que a unidade material custaria entre R$ 110 mil e R$ 150 mil. Saiu mais barato. Os seis equipamentos foram adquiridos junto à uma empresa com sede em Porto Alegre a um total de R$ 557,4 mil.


Dívidas na saúde x Imóveis

O governo de Estrela protocolou um instigante projeto de lei na Câmara de Vereadores. A proposta autoriza a adesão ao programa Negocia RS. O mecanismo é relativamente simples. É um “Programa de Dação em Pagamento”, com objetivo a quitação de débitos de saúde do RS. Ou seja, o credor (no caso o município de Estrela) aceita que o devedor dê fim à relação de obrigação existente entre eles pela substituição do objeto da prestação. No caso, o Estado (devedor) prevê o repasse de imóveis públicos para quitar seu débito com a administração municipal. Mais precisamente os prédios da antiga EEEB Madre Branca (foto), no bairro Imigrante; da antiga Delegacia de Polícia, no bairro Oriental; e da EEEB de Glória.


FCDL x Maneco

Nessa terça-feira, Vitor Augusto Koch, presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas (FCDL) do Rio Grande do Sul, foi entrevistado no programa Frente e Verso. E ele foi duro nas críticas direcionadas ao presidente da Federação das Associações de Municípios do RS (Famurs), Emanuel Hassen de Jesus (PT), o popular “Maneco”, ex-prefeito de Taquari. Koch reclamou do discurso do petista sobre lockdown e compra de vacinas por parte do governo do Estado. “Um discurso completamente político”, disse. “Estão pensando em 2022”, acrescentou. Maneco também participou do programa. E mostrou coerência. Segundo ele, os prefeitos estão impacientes com o presidente, mas ainda acreditam na compra das vacinas por parte do governo federal.


Cremers e as universidades

Faz alguns dias, e após denúncia encaminhada pelo Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers), o Ministério da Educação (MEC) oficiou a Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc), exigindo esclarecimentos sobre a “regularidade de atividades docentes no curso de Medicina”. O Cremers aponta supostas irregularidades em atividades práticas ministradas por profissionais não médicos. A instituição de ensino do Vale do Rio Pardo argumenta ser fundamental a presença de profissionais multidisciplinares no ensino de estudantes de Medicina. O conselho também verifica outras universidades. Entre essas, a nossa Univates.


Previdência

Em Lajeado, o governo municipal indicou uma “Comissão de Estudos para a criação do Regime de Previdência Complementar”, o RPC. A notícia foi divulgada no Diário Eletrônico do Município.