Comissão Pró UTI acelera obra e pede apoio para respiradores

Saúde

Comissão Pró UTI acelera obra e pede apoio para respiradores

No ritmo atual, estrutura física demoraria mais 45 dias para ser finalizada. Construção será realizada em turno inverso para reduzir prazo, mas ainda faltam equipamentos

Por

Comissão Pró UTI acelera obra e pede apoio para respiradores
Secretário Gustavo Kasper expôs a importância da UTI para o combate à pandemia na região (Foto: Ramiro Brites)
Vale do Taquari
Imec - Lateral vertical - Final vertical

Com dinheiro em caixa suficiente para a finalização da estrutura física, Unidade de Terapia Intensiva (UTI) será concluída nas próximas semanas. Para isso, turno de trabalho será dobrado e o custo aumentará. A Comissão Pró UTI de Arroio do Meio deve deslocar orçamento previsto para um gerador de energia a fim de adiantar o prazo.

Uma reunião foi convocada ontem no gabinete do prefeito Danilo Bruxel após três pacientes serem enviados para UTIs de todo Rio Grande do Sul. O Hospital de Bagé, a cerca de 380 quilômetros de Arroio do Meio, foi acionado. O longo caminho diminuiu as chances de recuperação da paciente que faleceu.

As medidas emergenciais foram tomadas no encontro e também contou com a presença da vice Adriana Lermen, secretário de Saúde, Gustavo Kasper, representantes da comissão e do Hospital São José e os prefeitos de Capitão, Jair Hunhoff e de Travesseiro, Gilmar Southier.

O espaço físico tem capacidade para dez leitos de UTI. Faltam, porém, equipamentos para tratar pacientes com sintomas respiratórios.

Respiradores

Nas próximas semanas, enquanto a obra é finalizada, o esforço conjunto é para a aquisição de respiradores.
Uma das peças disponíveis no Hospital São José foi cedida pelo governo estadual, há o pleito para que o governo estadual encaminhe mais itens a Arroio do Meio.

Para o presidente da Comissão Pró UTI, Joner Kern, solicitou que deputados federais sejam acionados na busca por mais recursos. Kern pede ajuda financeira ou com os equipamentos à comunidade regional.

“Precisamos colaboração para esses equipamentos. E para isso, nós continuamos pedindo o apoio dos cidadãos e das empresas arroiomeenses e para a comunidade regional. Não é uma UTI para Arroio do Meio. É para a região e para o estado”, apela.
Cada respirador custa cerca de R$ 70 mil, a estimativa do Hospital São José, que cada novo paciente em estado grave custe pouco mais de R$ 100 mil.