PRF pede mudança de endereço

Estrutura

PRF pede mudança de endereço

Criação de possível rota de fuga preocupa comando da PRF local. Transferência da sede tramita em Brasília

Por

PRF pede mudança de endereço
PRF sugere nova delegacia entre a ponte do arroio Forquetinha e o Trevo de Forquetinha no sentido para Marques de Souza (Foto: Arquivo A Hora)

A 4ª Delegacia da Polícia Rodoviária Federal (PRF) de Lajeado poderá mudar de lugar. A informação foi repassada nessa segunda-feira, 22, pelo chefe da PRF, Paulo Reni da Silva em entrevista à Rádio A Hora 102.9.

Principal preocupação de Reni é com a possibilidade de criação de rotas de fuga para desviar da sede da PRF. Um viaduto está previsto para ser instalado próximo ao Loteamento Urban Center, cerca de 300 metros do ponto onde está a delegacia.

“O motorista poderá ver a nossa presença e fazer o retorno na rodovia e voltar ao interior. Visualmente, ele poderá enxergar se tem polícia na frente”, lamenta. Outra situação incomoda, segundo Reni, será o aumento do trânsito nas vias laterais de acesso ao bairro Conventos.

A PRF sugere a mudança da delegacia entre a ponte do arroio Forquetinha e o Trevo de Forquetinha no sentido para Marques de Souza. Segundo Reni, o processo de mudança já está em análise em Brasília.
“No contrato não existe previsão para construção de novas sedes da PRF, então será um debate grande para conseguir a mudança”, conclui.

Pouco protagonismo

Ao comentar a mobilização de empresários do bairro Olarias e governo de Marques de Souza por mais vias de mão única e retornos em nível, Reni mostrou descontentamento com o fato da polícia rodoviária ter sido pouco consultada na elaboração do projeto de duplicação.

O chefe da PRF ressaltou que o contrato pronto já veio assinado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e CCR ViaSul antes de possíveis apontamentos da PRF. “Acho que a gente teria de ter protagonismo nessa discussão”, pontuou.

Em contraste com a necessidade de adequações, Reni elogiou a duplicação e prevê a diminuição de acidentes como as colisões frontais (que devem reduzir a totalidade) e colisões transversais nos cruzamentos de nível.

Também falou da expectativa com o início das obras e assegurou que a PRF e CCR ViaSul alinharam a comunicação e fornecerão informações atualizadas sobre trechos que estarão com atividades e trânsito lento.