“Em sete dias, consumimos oxigênio equivalente a 7 meses”

Covid-19

“Em sete dias, consumimos oxigênio equivalente a 7 meses”

Hospital de Boqueirão do Leão enfrentou possibilidade de falta de oxigênio na tarde de ontem, 22. Remanejamento de pacientes e apoio da comunidade ajudaram a reverter o cenário

Por

“Em sete dias, consumimos oxigênio equivalente a 7 meses”
Cilindros chegaram no final da tarde de ontem ao hospital de Boqueirão do Leão (Foto: Divulgação)
Vale do Taquari

A possibilidade da falta de oxigênio no Hospital Dr. Anuar Elias Aesse, de Boqueirão do Leão, deixou comunidade e líderes políticos do município em alerta. A casa de saúde é um hospital de pequeno porte. Dos 40 leitos clínicos disponíveis, quatro são destinados a pacientes Covid-19. Porém na tarde de segunda-feira, 22,, 11 estavam ocupados por pacientes com sintomas respiratórios graves.

A superlotação fez com que a diretoria do hospital informasse a chance de faltar oxigênio para os pacientes internados. Problema que deveria acontecer a partir do início da tarde. Porém a ajuda da comunidade ajudou o hospital a ganhar tempo até a chegada do fornecimento de novos cilindros. Moradores do município, que possuem oxigênio para uso pessoal em casa, mas que no momento não estavam utilizando, emprestaram os equipamentos.

Por volta das 17h30 o carregamento com novos produtos chegou a Boqueirão do Leão. A direção do hospital estima que produto supra necessidade de dois dias de atendimento. Expectativa é que situação se normalize a partir de agora.

“Estávamos com praticamente 300% dos leitos destinados à doença ocupados. Um paciente também conseguiu ser transferido para a UTI do hospital de Estrela, o que aliviou um pouco. Sabemos que o consumo de quem está com Covid-19 é muito alto. Por isso a dificuldade de reposição. Temos um número limitado de cilindros e outros equipamentos necessários para manter uma pessoa no oxigênio. Além disso, nossa capacidade humana também está esgotada ”, destaca o diretor do hospital, Alessandro Weber.

Ele ainda explica que, desde a sexta-feira antes do feriado do Carnaval, dia 12, a demanda no hospital aumentou. A reposição de cilindros de oxigênio foi necessária quase todos os dias na semana seguinte, algo que até então não havia acontecido.

“Em sete dias consumimos o equivalente a sete meses de consumo normal do hospital”, destaca Alessandro.
Boqueirão do Leão possui 291 casos diagnosticados positivos da doença. Destes, 61 foram confirmados no boletim divulgado ontem pela Secretaria Estadual da Saúde (SES). Além disso, são 7 óbitos registrados no município.

“Lockdown”

A administração municipal de Boqueirão do Leão decretou alterações no funcionamento dos serviços não essenciais no último final de semana. Apenas farmácias atenderam sob demanda. Supermercados e demais estabelecimentos ficaram fechados.

O prefeito Jocemar Barbon confirmou que o “lockdown” será novamente adotado no próximo final de semana. As medidas têm validade das 19h de sexta, dia 26, até as 6h de segunda-feira, dia 1º.

“Se durante essa semana percebermos que o hospital continua com dificuldades, podemos restringir ainda mais essas restrições. As pessoas precisam se conscientizar. Se possível, devem ficar em casa. A vida deve prevalecer”, finaliza o prefeito.