Cenário crítico e desafiador

Editorial

Cenário crítico e desafiador

O governo do Estado acerta em adotar medidas mais rigorosas para tentar controlar a pandemia no Rio Grande do Sul

Cenário crítico e desafiador
Vale do Taquari

O governo do Estado acerta em adotar medidas mais rigorosas para tentar controlar a pandemia no Rio Grande do Sul. O cenário parece sair do controle e exige a atenção e o comprometimento de todos para evitar o colapso do sistema de saúde, que nunca esteve em situação tão delicada.

Entre as medidas, está a ampliação do horário de restrições à circulação de pessoas em todo o Estado. Independentemente da bandeira da região, a janela de horário da suspensão geral de atividades não essenciais, a partir desta terça-feira (23), será ampliada em duas horas: começando mais cedo, às 20h, e indo até as 5h.

Trata-se de uma estratégia fundamental, que exige fiscalização rígida, visto que a maior parte das aglomerações parecem ocorrer nesse período. Devem estar fechados todos os estabelecimentos de atendimento ao público, reuniões, eventos, aglomerações e circulação de pessoas tanto em áreas internas quanto externas, em ambientes públicos ou privados.

Importante frisar o equilíbrio do conjunto de medidas estabelecidas. Após diálogo com os municípios, o Piratini optou por manter o modelo da cogestão, para que as cidades tenham margem de flexibilizar parte das restrições desde que por meio de consenso entre as autoridades locais.

Mesmo assim, percebe-se que, diante da gravidade da conjuntura, prefeitos estão dispostos a manter restrições mais firmes, como é o caso de Lajeado.

Outro aspecto que deve ser reconhecido é a possibilidade de manutenção das atividades escolares em determinados níveis de ensino: Educação Infantil e 1º e 2º anos do Ensino Fundamental. Enquanto setor crucial para a sociedade, deve-se envidar todos os esforços para, dentro de um ambiente seguro, viabilizar a Educação, especialmente dessas faixas etárias.

Independente das flexibilizações, é preciso considerar com a máxima seriedade que o Vale do Taquari está em bandeira preta. Pela primeira vez, a região aparece no mapa definitivo como área de “risco altíssimo de contágio”. O que na prática se confirma com os dados de internação hospitalar e casos ativos. Ontem, houve novo recorde de pessoas com sintomas em Lajeado: 558.