A estranha temporada de Galhardo

opinião

Caetano Pretto

Caetano Pretto

Jornalista

Colunista esportivo.

A estranha temporada de Galhardo

Por

Vale do Taquari
Tudo na Hora 2 - Lateral vertical - Final vertical

A temporada de Thiago Galhardo é muito peculiar. Contratado do Ceará como um jogador para entrar no rodízio de elenco do Internacional, o atacante logo despontou como um dos grandes destaques do time.

Com o técnico Eduardo Coudet, e principalmente após a lesão de Paolo Guerrero, virou o melhor jogador do Colorado. Ao fim do primeiro turno, era o goleador do Brasileirão e despontava como o grande craque da competição.

Coudet saiu e tudo mudou. Veio Abel Braga e a forma do time jogar mudou. Desde a troca, Galhardo fez apenas um gol. Ainda figura entre os goleador da competição, mas não é mais peça central no Inter. Após a lesão, perdeu a titularidade para Yuri Alberto e quase saiu do time, que coincidentemente melhorou e pode comemorar o primeiro título brasileiro desde 1979.

Após se frustrar ao não ir para a Arábia Saudita, Galhardo permanece no Inter e pode ser importante nos últimos jogos do Brasileirão. Com certeza é um acréscimo ao time de Abel que briga com a faca entre os dentes pela taça da competição.

Grêmio e a vaga direta

A vitória sobre o Botafogo veio em boa hora para o Grêmio. Foi apenas o segundo triunfo do Tricolor em 2021. Mais do que isso, serviu para dar moral ao time e também para fazê-lo voltar à briga pela Libertadores.

O time de Renato Portaluppi pode buscar a vaga direto por dois caminhos. Ambos difíceis. Pelo Brasileirão, precisa ficar no mínimo no G5, posto em que batalha com São Paulo e Fluminense. Parada dura.

Pela Copa do Brasil, joga a final com o Palmeiras e pode conquistar o título que venceu pela última vez em 2016. A taça será muito bem-vinda à Arena. Assim como a vaga direta. Iniciar a Libertadores na fase de grupos é fundamental para as pretensões da temporada.

Por causa da pandemia, o próximo ano futebolístico inicia logo após o encerramento do atual. O Campeonato Gaúcho, por exemplo, começa no final de fevereiro. A última coisa que o Tricolor quer é ter que engatar as finais da Copa do Brasil com as fases prévias do torneio continental.