“Não consegui mais largar o pedal”

Abre aspas

“Não consegui mais largar o pedal”

Morador de Arroio do Meio, o contador Guilherme Augusto Weizenmann, 33, começou a pedalar em 2020 após a pandemia restringir a grande maioria dos esportes. Mesmo com a volta do futebol, sua atividade favorita, Weizenmann pretende seguir pedalando e conhecendo vários lugares junto com sua bicicleta

Por

“Não consegui mais largar o pedal”
Arroio do Meio

Como surgiu e o que representa o ciclismo na sua vida?
Iniciei o ciclismo devido à pandemia, uma vez que outros esportes que até então praticava acabaram sendo restringidos. No entanto, mesmo depois que essas atividades voltaram, não consegui mais largar o pedal. Além de ser o principal esporte que venho praticando, se tornou um estilo de vida que pretendo levar adiante comigo.

Há quanto tempo pedala?
Faz alguns anos que comprei a bicicleta, mas comecei a pedalar pra valer em meados de abril do ano passado.

Quais os benefícios da atividade?
Além dos benefícios à saúde, a atividade permite conhecer e explorar lugares mais de perto, que antes passavam até despercebidos. Sem contar nas amizades e parcerias que se faz, todo mundo se incentivando e se ajudando quando necessário.

Como era o Guilherme antes do ciclismo e como ele é hoje?
O Guilherme sempre foi uma pessoa viciada em esporte e a pandemia trouxe uma necessidade de buscar alternativas para que esta dependência fosse suprida de alguma forma, foi aí que veio a bicicleta. Em virtude disso não houve uma mudança muito grande no meu estilo de vida , visto que sempre fui adepto de atividades físicas.

Como avalia a estrutura para o ciclismo na região?
A região possui inúmeras possibilidades para o ciclismo, dependendo de cada estilo. Possui estradas de asfalto com acostamento, apesar de geralmente não ser dos melhores; estradas sem acostamento, mas, principalmente, estradas de terra e muito morro, o que favorece a prática do mountain bike.

O que pode ser feito para estimular o uso da bicicleta?
O pedal com companhia de outra pessoa ou em grupo é mais agradável do que andar sozinho. Acredito que esse coletivo ajuda muito no estímulo ao iniciante, seja pelo apoio ao desgaste físico quanto nos percalços com equipamento, principalmente pneu furado.

Na pandemia vimos muitas pessoas se interessar pela bicicleta, porque essa atividade é tão viciante?
Realmente, é viciante! No início pedalava somente no final de semana, mas cada vez você quer andar mais, tanto que agora tento andar pelo menos mais uma vez durante a semana. Você quer sempre se desafiar mais, seja por conhecer um lugar diferente, seja para conseguir fazer mais quilometragem, ou até para melhorar o seu desempenho em determinado ponto que já percorreu anteriormente.