opinião

Rodrigo Martini

Rodrigo Martini

Jornalista

Coluna aborda os bastidores da política regional e discussão de temas polêmicos

Muito trabalho!

Por

Lajeado

O PP venceu com uma vantagem histórica na principal cidade do Vale do Taquari. E o choro de Marcelo Caumo, reeleito com uma ampla margem de votos válidos sobre a sua principal adversária, Márcia Scherer (MDB), é o desabafo de quem apanhou muito para buscar a reeleição. Foram muitos ataques contra o gestor.

Mas quem optou por atacar, hoje chora a derrota. As pesquisas já demonstravam a preferência maciça do eleitorado pelo atual prefeito, e as urnas mostraram que essa preferência se mostrou ainda mais acentuada. Com isso, o compromisso aumenta.

Caumo terá muito trabalho pela frente. O amplo apoio recebido do eleitor lajeadense precisa, necessariamente, mexer com os brios do atual gestor. Caumo não pode cair na zona de conforto e achar que a alta aprovação de seu governo é sinônimo de plena satisfação. De fato, não é. Há muito a fazer em Lajeado, essencialmente nos bairros mais carentes. Há muito a fazer, também, em bairros mais nobres e também na área central. Resumindo, há muito trabalho atrasado a ser feito na principal e mais rica cidade do Vale do Taquari. E ontem já iniciou este desafio!

Aplausos!

Derrotada em 2016 e 2020 pelo mesmo adversário, a delegada aposentada Márcia Scherer (MDB) não deve baixar a cabeça. Apesar dos pesares, e mesmo diante de um visível excesso de ataques contra o atual prefeito, a emedebista merece muitos aplausos. A candidata precisou brigar internamente com velhos caciques do MDB para conquistar o direito de concorrer novamente. Durante a campanha, ficou isolada em algumas pautas mais “picantes”, e não contou com o devido apoio dos vereadores do partido, por exemplo. Ao fim de tudo, ela pagou, também, pela desorganização do próprio partido. Afinal, a escolha do vice aos 48 minutos do segundo tempo, e sem qualquer convicção, foi absolutamente danosa para as pretensões da Oposição.

Elegância dos perdedores

Klaus Schnack (MDB) e Jonatan Brönstrup (PSDB) sofreram as piores derrotas neste domingo. Os atuais prefeitos de Arroio do Meio e Teutônia, respectivamente, realizaram bons governos. Havia, sim, muita expectativa pela reeleição de ambos. Mas o eleitor é surpreendente. Em Arroio do Meio, e conforme antecipava a segunda pesquisa divulgada pelo Grupo A Hora naquele município, Danilo Bruxel (PP) cresceu e muito nas últimas semanas e acabou por quebrar uma hegemonia de 12 anos. Em Teutônia, a virada histórica foi de Celso Forneck (PDT).

É do jogo democrático. Uma eleição é assim. Ou você ganha, ou você perde. E por mais óbvio que isso pareça, sempre há exemplos (ou maus exemplos) de candidatos que buscam subterfúgios para o próprio fracasso. Não é o caso de Arroio do Meio e Teutônia. Schnack e Brönstrup foram excelentes perdedores. Ambos foram elegantes em seus discursos pós-pleito e fizeram questão de reconhecer a lisura dos vencedores. Tenho a certeza que a transição entre os velhos e novos governos será, da mesma forma, carregado de muita elegância.

Recuperação tardia?

Em Encantado, a recuperação do PP e do MDB foi tardia. A Situação, comandada pelo atual prefeito Adroaldo Conzatti (PSDB), largou bem à frente da chapa liderada pelo atual vice-prefeito, Enoir Cardoso (PP). Mas a recuperação veio “a galope”. Nos últimos dias, os bastidores comprovavam uma tendência: os progressistas e os emedebistas encostaram no “Vô”. A impressão é de que faltou tempo para a virada. Ou, talvez, o PP e o MDB atingiram o limite da Oposição neste pleito.

Vitória da Situação

A Situação é a grande vencedora do pleito de Estrela. Os três primeiros colocados possuem ligações direta e indireta com o atual governo de Carlos Rafael Mallmann (MDB). O vencedor, Elmar Scheneider (PTB), é o ex-secretário de Saúde. O segundo colocado, Valmor Griebeler (PL), é o atual vice-prefeito. E o terceiro colocado, Comandante César (MDB), é o candidato do partido e “do coração” do atual prefeito. Ou seja, a população estrelense aprova, em massa, a gestão de Mallmann. Resta saber quem seguirá Situação e quem será Oposição a partir de janeiro de 2021.

Parabéns, Instituto Methodus!

Não foram poucas as denúncias e debates acalorados sobre as pesquisas realizadas pelo Instituto Methodus. Especialmente em Estrela. Teve candidato brigando diretamente com os números, e os números foram precisos. Teve candidato sendo absurdamente desrespeitoso com a instituição, com o Grupo A Hora, e também com funcionários da empresa. De nossa parte, resta lamentar a postura absolutamente pueril e ignóbil de quem não demonstrou o devido respeito aos profissionais envolvidos na cobertura jornalística. É isso. Só resta lamentar. E vida que segue!

Nove caras novas

A Câmara de Lajeado será reformulada com perfis interessantes para a próxima Legislatura. Waldir Blau (MDB), Ernani Teixeira (PP) e Waldir Gisch (PP), três parlamentares com maior tempo de “cancha”, só alcançaram a suplência. Assim como os atuais vereadores Neca Dalmoro (MDB), Ildo Salvi (PSDB), Sérgio Rambo (PT) e Nilson do Arte (PP). Por ora, todos estão fora. Mariela Portz (PSDB) não concorreu e, distante das urnas, ajudou a eleger Paula Thomas (PSDB) e Márcio Dal Cin (PSDB).

Além de dois novos tucanos, o plenário passa a contar com outros sete novos representantes: Adriano Rosa (PSB), Deolí Gräff (PP), Vavá (MDB), Heitor Hoppe (PP), Isidoro Fornari (PP), Alex Schmitt (PP) e, claro, Ana da Apama (MDB), a mais votada. Carlos Ranzi (MDB), Ederson Spohr (MDB), Sérgio Kniphoff (PT), Lorival Silveira (PP), Fabiano Bergmann (PP) e Marcos Schefer (MDB) foram reeleitos. E apenas os três últimos não perderam eleitores em relação ao pleito anterior.