Qualidade da Educação

Vale avança no Ideb, mas continua abaixo da meta

Nas seis maiores cidades da região, metade atingiu a pontuação prevista para os anos iniciais do Ensino Fundamental. No Ensino Médio, resultados ficaram acima da média estadual

Por

Vale avança no Ideb, mas continua abaixo da meta
O resultado do Ensino Médio gaúcho avançou de 3,7 para 4,2 Representa sete posições a mais do que na edição de 2017. Ainda assim, ficou abaixo da média prevista pelo MEC. Foto: Arquivo A Hora/ Filipe Faleiro
Vale do Taquari

Dos maiores municípios do Vale, Encantado, Lajeado e Taquari atingiram a meta prevista pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) para os o Ensino Fundamental (5ª ano e 4º série).

Nas séries finais (8ª série e 9º ano) nenhuma das seis cidades da região alcançou a média prevista. A surpresa fica para o Ensino Médio, nível educacional com piores notas no país.

Enquanto a média gaúcha foi de 4,2, as cidades do Vale ficaram acima. Arroio do Meio, Encantado, Estrela, Taquari e Teutônia atingiram a meta prevista. Apenas Lajeado ficou 0,2 pontos abaixo do determinado pelo Ministério da Educação.

Por outro lado, é a primeira vez que o Ensino Médio da maior cidade da região apareceu no IDEB. A análise dos terceiros anos foi instituída por município apenas na edição de 2017. Naquele ano, não houve alunos suficientes de Lajeado participando dos testes.

Na pesquisa referente a 2019, o RS melhorou o desempenho em relação à edição anterior, de 2017.

O resultado foi motivo de comemoração para o governo do Estado. Pois o maior avanço foi no Ensino Médio. O crescimento de 3,7 para 4,2 foi o mais significativo desde 2005, quando o Ideb passou a ser aplicado.

No geral, o Ensino Médio gaúcho subiu sete posições em relação a 2017, saindo da 15ª para 8ª colocação no ranking entre as 27 unidades federativas do país. Ainda assim, o ensino gaúcho não atingiu as pontuações definidas.

Além do RS, os estados do Amapá, Roraima, Sergipe, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal também não alcançaram a meta.
As avaliações foram aplicadas entre 21 de outubro e 1º de novembro de 2019. Participaram do processo 224 mil alunos do 5º e 9º ano do Ensino Fundamental e do 3º ano do Ensino Médio no RS.

Mudança de metodologia

Na apresentação dos indicadores, na manhã de ontem, o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Alexandre Lopes, anunciou a criação de um grupo para definir novas metas de qualidade às escolas. O sistema começa a valer em 2022, com o fim das metas atuais do Ideb, que é o principal indicador de qualidade da educação brasileira.

O grupo será formado pelo Ministério da Educação (MEC), pelo Conselho Nacional de Educação, pela União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), representando os municípios, e pelo Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), representando os estados.

O que é o Ideb

O Ideb é calculado a partir de duas peças: a taxa de rendimento escolar – aprovação – e médias de desempenho nos exames padronizados aplicados pelo instituto. O primeiro parâmetro é obtido a partir do Censo Escolar, enquanto as médias de desempenho verificadas são as da Prova Brasil – Leitura e Matemática –, para Idebs de escolas e municípios, e do Saeb, no caso dos Idebs estaduais e federal.

A pesquisa avalia uma escala de zero a dez. A série de resultados do Ideb iniciou em 2005, quando foram estabelecidas as metas bienais de qualidade para o país, estados, municípios e escolas. A média nacional geral registrada em 2005 era de 3,8. A intenção é chegar a 6,0 em 2022.


DETALHES

No RS

• O Ensino Médio gaúcho saiu da 15ª para a 8ª posição. Mas ainda abaixo da meta prevista para 2019;

• No índice de proficiência, formado pela média das notas das provas de Língua Portuguesa e de Matemática, a rede estadual alcançou a terceira maior nota do país nos anos finais do Ensino Fundamental e no Ensino Médio;

No país

• Os resultados seguem em evolução. Em 2019, a nota foi de 5,9. Representa 0,2 ponto a mais do que em 2017;

• Apenas nos anos iniciais do Ensino Fundamental, do 1º ao 5º ano, cumpriu a meta. O Ideb registrado no país foi 5,9. Enquanto a meta era de 5,7.

• Nos anos finais do Ensino Fundamental, do 6º ao 9º ano, o Ideb alcançado no país foi 4,9, inferior à meta fixada para a etapa, 5,2.

• Das 27 unidades da Federação, 22 aumentaram o Ideb, mas apenas sete alcançaram a meta proposta para 2019;

• O Ideb do Ensino Médio avançou 0,4 ponto em 2019. Ceará, Alagoas e Piauí tiveram os maiores crescimentos nesta edição.