A luta contra o câncer

opinião

Hugo Schünemann

Hugo Schünemann

Médico oncologista e diretor técnico do Centro Regional de Oncologia (Cron)

A luta contra o câncer

Por

Lajeado
CRON Previne - Lateral vertical - Final vertical

Formado há 33 anos, trabalhei em minha vida em muitos hospitais. Houve ao longo destes anos, lugares mais ou menos precários. O setor da saúde enfrentou graves dificuldades ao longo desses anos e a oncologia, como não poderia deixar de ser.

Conseguir remédios para realizar uma quimioterapia era, em várias situações, um desafio. Na radioterapia havia fila de meses. A sociedade fez esforços tremendos, campanhas para arrecadar fundos para comprar equipamentos, para reformar hospitais, para comprar remédios ou simplesmente, para pagar o salário dos funcionários.

Olhando para traz agora, vejo o quanto lutou-se para que o enfrentamento do câncer fosse bem sucedido. Inúmeras entidades envolveram-se nessa luta, tentando suprir as dificuldades financeiras que o estado brasileiro sempre apresentou.

A pandemia que hora vivemos nos mostrou o quanto o estado brasileiro falha com seus cidadãos e não consegue dar resposta satisfatória as demandas de nossa sociedade.
Enfrentar o câncer ainda nos traz grandes desafios. Mas não quero falar de câncer, doença tratada nos hospitais e clinicas de oncologia.

Eu quero falar de um outro câncer. Uma doença grave, que arrasa nossa sociedade. Não há cirurgia que extirpe este mal. Não há radioterapia que cauterize essa ferida. Não há quimioterapia que cure este mal.

Falo da corrupção, especialmente na área da saúde. Ela vem de longe. Já ouvimos falar na ‘’máfia das ambulâncias’’, na ‘’máfia das sangue sugas’’, nos desvios milionários na colocação de próteses ortopédicas e cardíacas. Desvios na compra de equipamentos hospitalares. Desvios na reforma de hospitais, na construção de postos de saúde, de UPAS. Super faturamentos na compra de remédios, contrato de funcionários fantasmas.

Os escândalos são muitos, e de longa data. E se repetem há vários anos, há vários governos. Sempre foi algo nojento, algo que gera indignação, raiva. Mas o que vemos agora, não encontro palavra para definir.

Enfrentamos o maior desafio desde 1900, a pandemia da Covid. E neste momento em que toda fragilidade do nosso sistema de saúde é exposto, com suas inúmeras e gigantescas deficiências, vemos os recursos públicos, que deveriam ser usados para salvar vidas (já são mais de 80 mil mortos), estes recursos desviados de forma descarada, de forma odiosa com compras super faturadas de respiradores. (loja de vinho vendendo equipamento médicos…), (respiradores que custavam R$ 25 mil sendo comprados por R$ 90 mil ou R$ 100 mil …), compras super faturadas de remédios, de mascaras, de luvas, (os famosos EPI’s), desvio e super faturamento na construção de hospitais de campanha.

É inacreditável que haja gente que, num momento desses, realize tais crimes. Matérias de jornais sucedem-se a reportar os escândalos e nem terminamos a pandemia. É inacreditável que existam essas pessoas. A doença não é nova. Não é primaria do Brasil. E não há tratamento eficaz, no momento para tais crimes.

É de doer ver isso acontecer…