combustível padrão

Melhor e mais cara, nova gasolina chega aos postos segunda

Alteração em parâmetros passa a valer a partir da próxima semana. Para especialista, vantagem está na padronização da qualidade do combustível

Por

Atualizado sábado,
01 de Agosto de 2020 às 15:56

Melhor e mais cara, nova gasolina chega aos postos segunda
Postos ainda terão 90 dias para vender combustível antigo a partir dessa segunda-feira. Foto: Fábio Kuhn
Brasil

O padrão da gasolina automotiva terá incremento de qualidade obrigatório a partir de segunda-feira, 3. Com as mudanças em parâmetros como a densidade, temperatura para evaporação e octanagem, os motoristas devem obter desempenho maior dos veículos, entretanto o preço do litro deve aumentar.

A Petrobras não divulgou quanto será o reajuste. Em nota, afirmou que “o ganho de rendimento compensa a diferença de preço da gasolina, porque o consumidor vai rodar mais quilômetros por litro”.

Resolução com as mudanças foi publicada, em janeiro, pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) em janeiro. Distribuidoras terão 60 dias, a partir de 3 de agosto, para vender os produtos que foram comprados antes e não atendem às exigências. Já os postos de gasolina terão prazo de 90 dias.

As mudanças vão aproximar o padrão da gasolina brasileira ao da União Europeia, ressalta o professor da Univates, Sílvio Luiz Hüning. Conforme ele, a principal vantagem será uma padronização na qualidade da gasolina.

Sobre os efeitos no motor, Hüning confirma que o novo combustível poderá registrar um rendimento maior. Ele não prevê efeitos no motor. “Os motoristas devem percebera apenas uma quilometragem a mais por litro. Se fazia 10, agora deve fazer 11”, exemplifica.

Hüning lembra ainda que desde 2013 a ANP não realizava mudanças no padrão da gasolina.

As mudanças estão alinhadas aos atuais requisitos de consumo de combustível dos veículos e de níveis de emissões atmosféricas, considerando o cenário das fases futuras do Programa de Controle de Emissões Veiculares (Proconve – Ibama) e do Programa Rota 2030 – Mobilidade e Logística, do governo federal.