Medicina Integrativa

Especialista defende equilíbrio da mente como cura

Doutora Rita Gandolfi Hamerski explica que a medicina integrativa conecta o ser humano com a origem do problema para sua resolução

Por

Especialista defende equilíbrio da mente como cura
Rita Gandolfi Hamerski participou do programa A Hora Bom Dia, deste sábado. Créditos: Laura Mallmann
Vale do Taquari

A terapeuta ortobiomolecular, neuropata e parapsicóloga clínica Rita Gandolfi Hamerski participou do programa A Hora Bom Dia, deste sábado, dia 1º, para esclarecer a proposta da medicina integrativa e complementar e a utilidade dela no cotidiano.

Rita esclarece que a medicina integrativa faz uma conexão com o ser humano no seu contexto como um todo. “É uma prática milenar que se confunde com a história dos povos. Ela alinha o corpo, a mente, o espírito e o contexto onde a pessoa vive”, reflete.

A doutora explica que uma dor no estômago pode não ser um problema físico. “Por vezes, o problema se manifesta no órgão, mas a origem dele pode estar em uma divergência de convívio. A medicina integrada avalia o setorial. Não olhamos só o órgão, olhamos o geral para compreender a origem do que está em desequilibro ou em desarmonia”, explica.

Ela defende que a medicina contemporânea está baseada na robotização. Conforme Rita, o corpo humano é composto por proteínas, vitaminas, ossos, músculos, entre outros, porém, também possui canais energéticos. “Se um destes canais está obstruído, pode ocorrer um distúrbio em outra parte do corpo”, afirma. A alimentação pode contribuir com a obstrução dos canais, explica Rita.

“O paciente pode buscar um médico para realizar uma bateria de exames, mas também pode reavaliar qual é a origem real problema. Em qual momento começou o problema? Simples movimentos de desbloqueios do fluxo de energia pode evitar um coquetel de remédios”, argumenta.

Conforme Rita, o autoconhecimento e a busca por ajuda podem transformar a vida. Ela defende que as pessoas devem conhecer a si mesmo para se curarem. “A mente é tudo. É a fonte e a definição da tua vida. Ela pode curar doenças”, afirma.

Meditação

A reprogramação mental permite repensar os processos interiores, explica Rita. “Nós não estamos isolados. Estamos no mesmo barco e no mesmo mar. O que uma pessoa faz pode afetar o outro diretamente. Tudo o que eu faço pode ter consequências no outro”, reflete.

Conforme Rita, todos os indivíduos possuem uma aura. “Ela pode ser de até 1,5m e capta ou doa tudo o que eu sinto, penso ou vibro. Estamos o tempo todo fazendo trocas. É preciso aprender a respirar, meditar e também ter consciência dos tipos de pensamentos que se carrega”, explica a doutora.

Rita explica que é necessário ter boas energias e pensamentos positivos para recebê-las de volta. “Uma pessoa que vive amargurada, com ciúmes ou raiva, com certeza, vai desenvolver um problema em um órgão, seja no fígado, na vesícula”, explica.

Confira a entrevista na íntegra: