Coronavírus

Univates pesquisa sintomas psiquiátricos da covid

O projeto da pesquisa da Univates, em parceria com a Unisc e Uergs, receberá verba da Secretaria Estadual Inovação, Ciência e Tecnologia

Por

Univates pesquisa sintomas psiquiátricos da covid
Posto funcionará no prédio 16 da Univates. Créditos: Elise Bozzetto
Lajeado

O projeto de pesquisa encaminhado pela Universidade do Vale do Taquari (Univates) ao Edital Inova RS de Apoio ao Enfrentamento da covid-19 foi aprovado na última sexta-feira, dia 26. O chamamento é da Secretaria de Inovação, Ciência e Tecnologia (Sict) do Rio Grande do Sul. O projeto da Univates conta com a participação da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (Uergs) e da Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc).

Para o desenvolvimento do projeto a Instituição solicitou ao Estado R$ 144.745,36. O objetivo da pesquisa é criar um sistema que alie tecnologia e teleatendimento psiquiátrico e psicológico para auxiliar no diagnóstico de sintomas psiquiátricos e de risco suicida nas regiões dos Vales do Taquari e Rio Pardo durante o período da pandemia de Covid-19. Além do valor do edital, serão investidos outros R$ 77.542,40 como contrapartida das organizações participantes da iniciativa, totalizando cerca de R$ 222.000,00.

O projeto “O uso de uma ferramenta tecnológica no auxílio diagnóstico para a covid-19, transtornos do afeto negativo e comportamento suicida na região com maiores índices de suicídio no Brasil e ensaio clínico de técnicas de psicoterapia breve voltado à sintomatologia psiquiátrica em tempos de pandemia” é liderado pela Univates e proposto em parceria com outras instituições da região. Além da Uergs e da Unisc, fazem parte da equipe profissionais das Secretarias de Saúde de Lajeado e de Santa Cruz do Sul, além das empresas Solis, Tekann Tecnologia da Informação e Tummi Aplicativos Desenvolvimento.

O projeto de pesquisa está vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas (PPGCM) da Univates, uma vez que uma de suas linhas de pesquisa é Ciências do Comportamento, que trata especificamente sobre etiologia, diagnóstico e tratamento de transtornos psiquiátricos e do comportamento suicida. No Programa a pesquisa servirá como base para uma dissertação de mestrado e um trabalho de pós-doutorado.

A pesquisa também tem como intenção aproximar a tecnologia de ambientes de inovação, como o Parque Científico e Tecnológico do Vale do Taquari (Tecnovates) e o Parque Científico e Tecnológico Regional da Unisc (TecnoUnisc), assim como o programa de inovação para Lajeado, integrando o Pro_Move Saúde.

Metodologia

A pesquisa será submetida ao Comitê de Ética em Pesquisa (Coep) da Univates, por meio da Plataforma Brasil do Ministério da Saúde – utilizada nos casos em que se realiza estudos com seres humanos.

“Uma vez aprovada, a ideia é que os indivíduos da população em geral com queixas de sofrimento psíquico nessa época da pandemia de Covid-19 que vivem nas regiões dos Vales do Taquari e Rio Pardo possam entrar em contato com a plataforma digital”, explica o pesquisador responsável pelo projeto, professor do curso de Medicina e psiquiatra Flávio Shansis.

Metodologia

A pesquisa será submetida ao Comitê de Ética em Pesquisa (Coep) da Univates, por meio da Plataforma Brasil do Ministério da Saúde – utilizada nos casos em que se realiza estudos com seres humanos.

“Uma vez aprovada, a ideia é que os indivíduos da população em geral com queixas de sofrimento psíquico nessa época da pandemia de Covid-19 que vivem nas regiões dos Vales do Taquari e Rio Pardo possam entrar em contato com a plataforma digital”, explica o pesquisador responsável pelo projeto, professor do curso de Medicina e psiquiatra Flávio Shansis.

A partir do primeiro contato, as pessoas avaliadas por telepsiquiatria que forem diagnosticadas com alto e médio risco de suicídio serão encaminhadas para atendimento presencial.

Os indivíduos identificados com baixo risco de suicídio receberão um dos quatro tipos de teleatendimento disponíveis: telepsicoeducação isolada, telepsicoeducação com vídeos de suporte, telepsicoterapia breve cognitivo-comportamental ou telepsicoterapia breve interpessoal.

O fluxograma de atendimento remoto está baseado em um protocolo de teleatendimento disponibilizado pelo Ministério da Saúde para profissionais da saúde em tempos de pandemia, o TelePsi, criado por uma equipe liderada pelo professor Giovanni Salum, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.