Educação

Diretor apresenta protocolo de retorno das aulas presenciais

A expectativa é de retornar com alunos do 3º ano do Ensino Médio em julho

Por

Diretor apresenta protocolo de retorno das aulas presenciais
O diretor do Colégio Evangélico Alberto Torres (Ceat), Rodrigo Ulrich, participou do programa Frente e Verso. Créditos: Laura Mallmann
Lajeado

Entre as incertezas da pandemia, uma das expectativas da sociedade é o retorno das aulas presenciais. Lajeado criou um comitê para elaborar um plano de retomada para apresentar a proposta para o governador Eduardo Leite. O diretor do Colégio Evangélico Alberto Torres (Ceat), Rodrigo Ulrich, participou do programa Frente e Verso, desta quinta-feira, dia 25, para esclarecer o protocolo de medidas para retorno das aulas.

A expectativa de retorno é real, explica Ulrich. O diretor antecipa que a partir do momento que o Estado permitiu os municípios organizassem protocolos, foi pensado um projeto da cidade. “É um trabalho que depende da constante melhora da situação de contágio das cidades”, reforça. “Buscamos soluções em entidades parceiras como a Unimed e Enseg, e também em exemplos internacionais”, explica.

No município são cinco escolas privadas. Conforme Ulrich, se todas retornarem, pode ser um impacto muito grande. “Por isso, é importante a ação do poder público no comitê para estabelecer o que é possível realizar. A ideia inicial era retornar todas escolas públicas e privadas juntas”, explica.

Com base nos números de testes, na pesquisa Testa Lajeado e nos indicadores de ocupação dos leitos hospitalares, a tendência é de retorno às aulas para alunos do 3º ano do Ensino Médio, em julho. O Ceat tem capacidade, segundo Ulrich, para separar as turmas por blocos para minimizar o fluxo de alunos.

Medidas

O colégio montou uma “Brigada Covid” para monitorar a circulação em andares, corredores e em guaritas. “Com menos alunos, não precisaríamos limitar o número de alunos, pois temos estrutura para cumprir os protocolos de distanciamento.”

Calendário

O calendário de escolar nas escolas privadas não foi alterado. “As aulas seguiram e teremos o recesso ainda em julho”, relata Ulrich.

Caso algum aluno ou pai não se sinta seguro, afirma que as aulas também serão transmitidas pela internet. “O decreto prevê que o aluno não volte para as atividades por segurança. Investimos em tecnologia e um dos recursos será a transmissão em tempo real da sala de aula. Não queremos que ninguém fique para trás”, afirma.

Confira a entrevista na íntegra: