Agronotícias

Estresse hídrico afeta produção de citros

Além de muitas plantas morrerem, frutas estão com calibre menor e queda na oferta alcança média de 50%. Pouca chuva e boa insolação traz mais qualidade e sabor. Valor pago pelo quilo será maior, tanto para produtor como nos mercados

Por

Estresse hídrico afeta produção de citros
Na propriedade de Grassi, apesar do calibre menor, frutas estão mais doces e com qualidade superior. Créditos: Luís Gustavo Bettinelli
Vale do Taquari

“Faltou umidade para a bergamota e a laranja se desenvolver. Muitas caíram do pé antes de se formar ou secaram depois”, relata Selmar Grassi, produtor faz 35 anos, em Muçum.

A família mantém o cultivo de laranja (Umbigo e Céu) e bergamotas (Ponkan, Caí e montenegrina) em um hectare. O valor do quilo, da variedade Caí, é vendido ao valor de R$ 2, para consumo in natura. “Está bom e deve se manter, pois a oferta será menor”, observa.

A produção de bergamotas envolve 14 produtores na cidade. Em 2019, entre as variedades Caí, Murcot, Ponkan, Deponkan e montenegrina, foram colhidas 690 toneladas em 23 hectares plantados. “A queda chega a 50%”, resume o técnico Jairo Bellini.

Mais qualidade e sabor

Na propriedade dos pais de Lenen Peterson, em Boqueirão do Leão, são cultivadas três variedades de bergamota, com expectativa de colher até 4 mil quilos da fruta. A safra atual terá ciclo e produção menor, mas qualidade superior comparado com o ano passado. “A bergamota produziu menos em função da estiagem, mas em compensação, concentrou mais açúcar”, revela.

O preço saltou de R$ 2 para R$ 2,50 o quilo. As frutas são destinadas para programas sociais do governo e mercados da região.

Menos suco nas prateleiras

A cooperativa Ecocitrus, com sede em Montenegro, mantém 113 produtores associados. A oferta de bergamotas, laranjas e limões cairá pela metade. De acordo com o gerente de relações institucionais, Ernesto Kasper, em 2019 foram produzidas mais de 275 mil caixas de citros

Hoje 80% da produção de sucos e de óleos essenciais é exportada a países europeus, como França, Alemanha e Bélgica, por exemplo. A indústria tem capacidade instalada para processar 17 mil toneladas de frutas ao ano. “Por conta da quebra, em 2020 devemos processar 50% a menos”, adianta.

Safra ruim

Conforme Derli Paulo Bonine, assistente técnico regional do Sistema de Produção Vegetal, a safra de citros será muito ruim este ano em virtude da estiagem.

O que prejudicou a citricultura neste ciclo?

Durante o estresse hídrico ocorre um decréscimo da produção da área foliar das laranjeiras, bergamoteiras e laranjeiras, fechamento dos estômatos, aceleração da senescência e da abscisão das folhas. As plantas submetidas a esta situação conservam água no solo, um tipo de economia para períodos posteriores. Com a estiagem houve a redução no desenvolvimento das células, na expansão das folhas, transpiração e redução na translocação de assimilados. Todos estes fenômenos tem determinado, em casos mais graves, queda de frutas e morte de plantas.

A chuva registrada ainda reverte as perdas?

Para as cultivares de bergamoteiras precoces, como a Caí e Ponkan o prejuízo já é irreversível, principalmente quanto ao calibre das frutas. O mesmo ocorre com as laranjas precoces, como a Céu Precoce. Na região do Vale do Caí muitos citricultores estão retirando todas as frutas de pomares jovens, na tentativa de evitar a morte de plantas. Já para a Montenegrina, os danos podem ser amenizados com a volta da umidade.

O preço será maior?

Inevitavelmente, pois o volume de frutas produzido será bem menor. Por exemplo, para a bergamota Caí, que no ano passado o citricultor recebia na mesma época R$ 1 o quilo, nesta safra está recebendo R$ 2. Entretanto, são poucos que dispões de fruta para vender, pois a maioria as perde nos pomares. É uma minoria que tem irrigação e consegue colher. Já a fruta colhida está bem menor que no ano passado, mas a qualidade e o sabor, com pouca chuva e boa insolação, estão muito melhores.

Já a fruta colhida está bem menor que no ano passado, mas a qualidade e o sabor, com pouca chuva e boa insolação, estão muito melhores,

Derli Paulo Bonine, assistente técnico.

Para saber

Em todo Estado são cultivados 6,6 mil hectares por mais de 2,3 mil produtores. A produção alcança 112,3 mil toneladas.