Lasier Martins

A contribuição do Senado

"Em tempos de graves crises sanitária, social e econômica, combinadas com escassez de recursos fiscais de União, estados e municípios, a urgência em economizar e priorizar despesas tornou-se ainda mais explícita"

Por

Atualizado sábado,
23 de Maio de 2020 às 09:58

A contribuição do Senado
Senador Lasier Martins
Lajeado

Desde que cheguei ao Congresso para cumprir a missão delegada por 2,1 milhões de gaúchos, uma das minhas primeiras e principais bandeiras tem sido o combate ao desvio e ao desperdício de dinheiro público.

Em tempos de graves crises sanitária, social e econômica, combinadas com escassez de recursos fiscais de União, estados e municípios, a urgência em economizar e priorizar despesas tornou-se ainda mais explícita.

Nesse momento crucial, o Senado deve dar sua cota de contribuição. Por esse motivo apresentei um projeto de resolução (PRS 17/2020) que prevê o corte de R$ 500 milhões dos R$ 4,5 bilhões reservados para gastos da Casa da Federação em 2020. Nesse montante estão incluídos, por exemplo, os dispêndios inexplicáveis com funcionários comissionados na Direção-Geral (R$ 24 milhões) e na Mesa Diretora (R$ 3 milhões). Um abuso.

Para se ter ideia da importância de se poupar esse meio bilhão de reais, basta lembrar que ele equivale ao total investido pelo Ministério da Educação na ampliação do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), uma obra que mobilizou quatro mil trabalhadores em cinco anos e que entregou alas de forma antecipada em razão da pandemia da Covid-19. É gratificante ver o sacrifício dos impostos se converter em benefício para quem os paga.

Entre as medidas que estou propondo para destinar o importante valor ao combate do novo coronavírus está a redução à metade da verba mensal de R$ 48 mil disponível a cada um dos 81 senadores para gastar nos mandatos. Na prática, provei que há exagero aí, pois só em passagens aéreas devolvo mais de 60% do que tenho direito, graças à busca por passagens com antecedência e em horários mais baratos. Uma economia de R$ 100 mil.

A pandemia não dá tréguas e a resposta dos agentes públicos esperada pela população precisa ser rápida, eficaz e consistente. Propostas como a minha para o Senado precisam ser avaliadas com urgência e seriedade ditadas pelas circunstâncias. Nenhum poder pode se ausentar da tarefa de cortar na própria carte e economizar em favor de um bem maior: a vida.