opinião

Thiago Maurique

Thiago Maurique

Jornalista

Coluna publicada no caderno Negócios em Pauta.

Agiotagem oficial

Por

Atualizado terça-feira,
19 de Maio de 2020 às 16:38

Vale do Taquari

Passam os dias e os efeitos da pandemia se tornam cada vez mais claros. A dificuldade de compreender a dimensão da ameaça que estava chegando ao país e a demora para agir diante do inesperado nos trouxeram ao cenário de hoje. A crise política se soma à emergência sanitária e dessa forma não conseguimos preservar nem as vidas nem a economia.

Diante de uma situação nunca antes vista, os empresários setem falta de um direcionamento por parte das autoridades. A briga entre o governo federal e os estados é inútil e improdutiva na busca por soluções que preservem empregos, renda e, acima de tudo, vidas.

Paulo Guedes toca um samba de uma nota só ao insistir em soluções que não funcionaram até agora. Na quinta-feira, 14, ele sinalizou novos cortes nos direitos trabalhistas, seguindo receita já adotada por Temer e por ele próprio. Se em momentos de menor turbulência a medida não resultou em um grande volume de novas contratações, porque acreditar que dará certo agora?

Comentei em outra coluna que os economistas da linha neoliberal tem uma grande dificuldade de largar os seus dogmas diante de um cenário imprevisto. Me enganei. Até nomes como Armínio Fraga e Guilherme Benchimol clamaram por intervenção do Estado na economia diante da pandemia e nem por isso se tornaram marxistas ou keynesianos.

Falta Guedes, que até ensaiou uma cobrança aos bancos. Em momentos de crise, onde todos precisam  empregar sua cota de sacrifício, nada mais justo do que cobrar uma contribuição mais generosa daqueles que mais lucraram ao longo dos últimos anos. Até o momento, não passou de bravata.

Mesmo com a menor taxa Selic da história, os juros pago por nós, meros mortais, continuam entre os maiores do mundo. Com tanto dinheiro sendo drenado para o sistema financeiro, sobra muito pouco para circular na economia real, do cotidiano.

Diante das incertezas provocadas pela pandemia, a população continua pagando juros, enquanto deixa de consumir qualquer coisa que não seja estritamente essencial. Essa é a equação que não fecha. Os juros do cartões de crédito e do cheque especial no Brasil são mais altos do que os cobrados por agiotas em outros países. Haverá vontade política e coragem para mudar esse cenário?

Projeto da Inovates recebe recursos da Fapergs

Um projeto da estudante do Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia (PPGBiotec) da Univates, Anja Dullius, foi contemplado no edital Doutor Empreendedor, promovido pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (Fapergs) e pelo o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

A empresa Syntalgae, pré-incubada na Incubadora Tecnológica da Univates – Inovates, na qual Anja é sócia, terá acesso a recursos para a realização de pesquisa, além de treinamentos na área de gestão realizados pelo Sebrae.

De acordo com Anja, a pesquisa realizada na empresa tem como o objetivo isolar microalgas e investigar seu potencial biotecnológico. O projeto irá desenvolver um aditivo animal com microalgas com potencial imunomodulador, podendo substituir o uso de antibióticos.

O projeto conta com a parceria internacional da Algatech, instituto localizado na República Tcheca que é referência na Europa nos estudos de biotecnologia de microalga, e com parceria nacional da empresa Nnatrivm Nanotecnologia, especializada em nutrição animal com o uso de nanotecnologia.

Marcante e Atual

“As pessoas que trabalharam comigo, todos eles hoje são loteadores. O Juca Richter encontrei na Alemanha e disse para voltar para o Brasil para trabalhar comigo. Teve o Paulo Pohl da Imojel, entre outros. Todo mundo se deu bem. Eu não enxergo ninguém como meu concorrente, porque o sol nasce para todos.”

Auri Pedrinho Althaus, fundador da Imobiliária Antares e da Construtora Ômega em entrevista para o Negócios em Pauta de Março de 2020.

Acil entrevista diretor da Delivery Much

O Núcleo de Marcas da Acil promoveu na quarta-feira, 13, uma live com o CMO da Delivery Much, Vinícius Dambros. O bate-papo teve participação da empresária e especialista em Branding e Business, Paula Thomas e abordou as inovações, oportunidades e desafios dos serviços de delivery diante das medidas de isolamento social.

Além de estar à frente do marketing do aplicativo de delivery número um do interior do Brasil, Dambros foi designer nas melhores agencias de propaganda do RS ajudando a desenvolver marcas nacionais como Iguatemi, Tramontina, Claro do Grêmio.