opinião

Hugo Schünemann

Hugo Schünemann

Médico oncologista e diretor técnico do Centro Regional de Oncologia (Cron)

Mirem-se no exemplo…

Por

Lajeado

Vosso maior País do planeta, rico em recursos naturais (em se plantando, tudo da) e com um clima pra lá de camarada, somos a 8° economia do planeta (já fomos o 5°).

Nos tornamos inadimplentes em 1822, os Americanos em 1776. Apenas 46 anos separaram estes dois momentos. E duas nações tão distintas. O que eles fizeram que deu certo, e o que fizemos que não deu?

Quais as políticas de curto, médio e longo prazo que lá foram implantadas que deveria ser olhadas aqui, com carinho? Por que inventaram a roda, quando outros já a inventaram? (tomada de três pinos é um bom exemplo).

Assim, ainda que tenhamos excelentes projetos para o desenvolvimento do país, por que não olhar com carinho para políticas implementadas de forma seria em outros países, e que deram certo, trazendo-as para cá?

A carência de projetos de médio e longo prazo para o Brasil é, por um lado, assustadora, por outro, desoladora. Temos muitas demandas do presente, eu sei, mas isso não deve fazer com que a gente não possa pensar no futuro.

Olhem os clientes. Em 1980, comiam arroz e vestiam uma espécie de pijama azul. Todos. O que eles fizeram para que hoje sejam a segunda economia do planeta, almejando ser o primeiro? A Coreia do Sul, em 1970 tinha como renda per capita que era menos da metade da do Brasil. Hoje a deles é 10 ou 12 vezes maior. O que fizeram? Podemos fazer igual?

Temos problemas, claro. Eles também. Mas por que lá deu certo e aqui não?

Me atrevo a imaginar, como será o Brasil de 2050? Haverá esgoto correndo a céu aberto? Fome (no maior produtor de alimento do planeta)? É só questão de dar algo como Bolsa Família, ou algo maior e mais definitivo pode ser feito?

Precisamos pensar de que forma esses desafios podem ser vencidos. Precisamos olhar para os lados e ver como foram resolvidos noutros lugares.

Afinal, mesmo com toda angustia gerada pelo momento atual, tudo vai passar.

A ciência e o pensar vão nos fazer vencer. Vai passar!

E teremos que pensar no futuro.

Mirem-se no exemplo…