Mulheres fortes, vivas e felizes. Mulheres empoderadas e empreendedoras!

opinião

Cíntia Agostini

Cíntia Agostini

Presidente do Codevat

Assuntos e temas do cotidiano

Mulheres fortes, vivas e felizes. Mulheres empoderadas e empreendedoras!

Por

Vale do Taquari

Mulheres fortes, sem serem duras; mulheres vivas, sem serem fúteis; mulheres felizes, sem precisar dos outros para o serem. Mulheres empoderadas! Mulheres que intraempreendem ou empreendem. Mulheres, que além de saberem fazer muito bem o seu trabalho, o fazem com criatividade, proatividade, planejamento e com ação. Mulheres que executam!

Essas são as mulheres que empreendem nos negócios nos quais fazem parte de uma equipe ou em seus próprios negócios. Atualmente são 9,3 milhões de mulheres à frente de uma empresa no Brasil, representando 34% de todos os donos de negócios do país, segundo dados do Sebrae.

As empreendedoras brasileiras são mais jovens que a média dos homens empreendedores, possuem uma escolaridade maior, mas ainda ganham 22% menos que os homens na mesma posição. Essas informações confirmam que as mulheres brasileiras ainda procuram e lutam por seus espaços diuturnamente. Ou seja, para generalizar sem abstrair, o contexto brasileiro é um patriarcado consolidado no qual prevalece ainda a dominação masculina nas relações de gênero (Louis, 2006).

Assim, o empoderamento feminino é fundamental no processo de empreender, no qual as mulheres passam a fazer o papel de gestoras, de parceiras, de responsáveis individual e coletivamente dos negócios que fazem parte ou que são proprietárias. E a partir de relações de confiança, reciprocidade e cooperação, a participação igualitária se dá na ação coletiva e possibilita a formação de capital social.

“O empoderamento implica a alteração radical dos processos e das estruturas que reproduzem a posição da mulher como submissa” (Lisboa, 2008, p.2). Para tanto, “as mulheres devem melhorar a autopercepção que tem sobre si mesmas, acreditar que são capazes de mudar suas crenças em relação a submissão e despertar para seus direitos” (Lisboa, 2008, p.3).

As mulheres não precisam serem iguais aos homens como coincidentes, em termos de postura ou posicionamento, elas devem ser iguais mas sendo diferentes, sendo mulheres, cada uma a seu jeito. Mulheres empreendem por necessidade e por oportunidade, no entanto, muitas ainda precisam se empoderar para assumir seus espaços em sociedades mais iguais, percebendo que têm condições de mudar suas crenças e as crenças sociais.

O empreendedorismo associado ao empoderamento feminino, quando ultrapassadas as barreiras sociais, possibilita incrementos no crescimento econômico dos territórios, em virtude de que mulheres empoderadas, a medida que sabem o que querem e aonde pretendem chegar, contribuem para si e para o coletivo. Mulheres fortes, mulheres vivas, mulheres felizes empoderam-se e empreendem. Feliz dia das Mulheres a nós Mulheres!