Zeitgeist

opinião

Sérgio Ricardo Sant'Anna

Sérgio Ricardo Sant'Anna

Professor da Faculdade La Salle

Assuntos e temas do cotidiano

Zeitgeist

Por

Atualizado terça-feira,
18 de Janeiro de 2020 às 14:27

Vale do Taquari
CRON Previne - Lateral vertical - Final vertical

Entendo que muita gente começa o ano mais preocupado em quitar o IPVA ou garantir a praia do que repensar o mundo. Tudo bem! O que me estraga é justamente a mania de pensar o todo, tentar entender o tom do momento que vivemos. Segundo George Hegel, filósofo idealista alemão, a síntese sobre os fatos históricos e a nossa consciência sobre eles é que estabelece o espírito da época, o Zeitgeist: um espírito absoluto, a partir de tudo que vivemos num período X. Se no início há uma tese, sempre surgirá uma antítese e só a partir do confronto entre elas chegaremos a uma síntese. Que cheguemos logo lá, então! E o que fazer para isso?
Eu queria ter ido a Davos, participar do Fórum Econômico Mundial, apesar de saber que o peso do encontro está mesmo nos interesses econômicos e quem manda são os gigantes. Que a presença de Greta Thunberg não se torne apenas uma jogada de marketing! Mas de lá saem reflexões que poderão nos inspirar para tomar atitudes também dentro de nossa casa, na empresa e na comunidade. Os grandes temas desse ano foram sete: Como salvar o planeta; Sociedade e futuro do trabalho; Tecnologia para o bem; Economias mais justas; Melhores negócios; Futuros saudáveis, além da Geopolítica. Qual desses temas não te interessa?
Aliás, qual vai ser sua pegada para 2020? Sei que é apenas janeiro e muita coisa ainda vai acontecer para que se tenha realmente a cara do ano, mas quem sair na frente tem mais chance de realizar seus projetos. Ou não! A cena do ex-ministro da cultura foi o mais completo “carro na frente dos bois” de todos os tempos e expôs a complexa antítese que vivemos no país. Acima de tudo, foi um alerta para o empoderamento descuidado de pessoas públicas. Será que conseguimos apreender alguma coisa com esse fato? O que esperar de Regina Duarte? E se alguém pensa que a cultura de uma nação deve ser moldada e definida por pensadores, está muito enganado. A cultura é livre e expressa o que somos, é criativa e verdadeira. Só assim poderá ser também um elemento transformador e, até, comercialmente viável. Para os empreendedores, o ano será mais um período de grandes desafios, de medir os investimentos e buscar retorno, sem que o fantasma das eleições municipais assombre suas iniciativas.
Materialismos a parte, 2020 é, segundo a numerologia, um ano ‘quatro’. O duplo 20 nos oferece a possibilidade de adquirir uma nova consciência de tudo que está à nossa volta. Quem sabe não esteja aí uma boa oportunidade para entendermos o espírito da época e colocarmos o trem nos trilhos? Na Faculdade La Salle Estrela, encerramos 2019 em um efetivo processo de mudança, conduzida pela Rede La Salle. A instituição estrelense promoveu uma adequação em sua estrutura educacional, tornando os cursos mais dinâmicos. As atividades práticas ganham mais peso neste ano e, juntamente com os acadêmicos, passaremos a explorar mais as necessidades e demandas das empresas locais, proporcionando uma maior entrega à comunidade. Se o Zeitgeist não for por aí, é, no mínimo, uma boa atitude para contribuir com a síntese que desejamos. “Vale o que vier // Vale o que quiser”. Contradizendo Tim Maia, vale até dançar homem com homem e mulher com mulher. Se for para o bem, vale!