opinião

Rodrigo Martini

Rodrigo Martini

Jornalista

Coluna aborda os bastidores da política regional e discussão de temas polêmicos

Um réquiem à pessoalidade

Por

14 01 2020_DIVULGAÇÃO coluna Martini_FOTO TEXTO PRINCIPALLi com um misto de tristeza e alegria a matéria do colega Mateus Souza sobre o iminente fechamento da locadora de filmes “Calypso”, a “ultima dos moicanos” na principal cidade do Vale do Taquari. Tristeza porque eu era um frequentador assíduo e amigo do proprietário, Jorge Machado. E alegria por ter vivido essa fase tão bacana…
E eu sou um péssimo apreciador de filmes. Eu durmo. Mesmo diante de um Forrest Gump ou um Debi & Lóide.
Também tenho a mania de ficar imaginando todo o backgstage de cada cena. Isso é péssimo porque tudo perde a graça. Mas eu gosto de filmes. Gosto mesmo. Toda noite antes de dormir eu assisto – ou tento assistir – alguma história na tela. Faço isso desde que me conheço por gente. E tudo começou em uma locadora.
Entre as décadas de 80 e 90, lembro bem da Vita-Vídeo – depois ficou só a Xock Vídeo. Lembro uma sala na rua Bento Gonçalves, próximo ao Ceat, e depois o prédio na Av. Benjamin Constant, que foi demolido anos atrás. Meus primos alugavam filmes na extinta BetaMax, ao lado da “Praça do Papai Noel”. Era um modelo diferente de videocassete, creio. Mas uma coisa havia em comum: era preciso rebobinar a fita para devolvê-la.
Tempos depois surgiu o DVD e, para minha sorte, a minha mãe abriu uma locadora. Foram anos de abundância em relação a novidades cinematográficas. A “Matiné” ficava ali na Av. Benjamin Constant, muito próximo de onde ficava a Xock Video. Sempre gostei de ver o apreço com que ela atendia os cinéfilos. A troca de informações, opiniões e os agradáveis bate-papos sobre os filmes sempre me agradaram. Era a síntese da humanização da interação.
A Xock Vídeo e a Matinée fecharam em momentos muito próximos. São os tempos modernos, eu sei. A inovação está aí para facilitar a nossa vida. Ou para tornar tudo mais confortável. Mas por vezes eu custo a aceitar. Em pleno ano 2020, gosto das promoções de sábado ou sexta-feira: “você aluga três filmes e pode devolver na terça-feira”. Eu gosto de olhar cartazes com novidades. Gosto do que é físico. Eu retorno a um saudoso tempo dentro da locadora.
Mas vou sentir falta essencialmente da pessoalidade do atendimento. Jorge, talvez poucos saibam, já peregrinou pelas místicas montanhas de Machu Picchu. Passou por algumas peripécias no país peruano. Perdeu voo. Passou perrengue, mesmo. São diversas as histórias que escutei – e contei – nesses tantos anos de freguesia.
Também vou sentir falta de passar aquele tempo ziguezagueando entre tantas películas, como se estivesse em uma biblioteca. Um tempo para ler sinopses, apreciar capas, procurar personagens e relembrar grandes artistas. Um dos raros momentos onde o celular ficava em segundo plano nesses dias tão corridos dentro da zona urbana. Era um tempo para conversar. Para ouvir.
Mas enfim, são os tempos modernos. E é para frente que se anda!


Diárias em Encantado

O Poder Executivo de Encantado gastou R$ 58,9 mil em diárias no ano de 2019. O valor total está bem acima do que foi gasto em 2018: R$ 32,6 mil. Já em 2017, no primeiro ano do atual mandato de Adroaldo Conzatti (PSDB), a sua prefeitura gastou R$ 55,1 mil com diárias pagas aos servidores e secretários. Pode-se dizer que o gringo fechou a mão. A soma desses três anos – R$ 146,6 mil – foi um pouco superior ao total gasto só em 2016: R$ 133,6 mil.


Asfaltamento

O Governo de Encantado retirou da pauta o projeto de lei nº 108/2019, que “autoriza o Poder Executivo Municipal a firmar convênio com o Município de Relvado, visando propiciar o asfaltamento da EM 475”. A matéria seria apreciada na sessão extraordinária que foi realizada na semana passada. Entretanto, o Executivo recuou.


Que luz é essa?

A pressão persiste sobre a RGE no Vale do Taquari. Na semana passada, em Arroio do Meio, coordenadores de operações da empresa se reuniram com líderes comunitários para tratar dos recentes – ou seriam históricos? – problemas na rede de abastecimento de energia. Na cidade, a maioria dos postes (69%) já é de concreto, mas ainda restam 2.387 mil postes de madeira. A RGE promete novas trocas. As reclamações são mais fortes nos distritos de Forqueta e Rui Barbosa.


14 01 2020_DIVULGAÇÃO coluna Martini_FOTO guardaGuarda Municipal

O governo de Lajeado estima anunciar em no máximo três meses o concurso público para contratação de 10 Guardas Municipais. Pretende. Para tal, o processo ainda deve passar pela avaliação da Câmara de Vereadores. O PL deve ser protocolado em janeiro. Aliás, a Guarda Municipal é uma das promessas de campanha do atual prefeito, Marcelo Caumo. E diante disso, não vai causar espanto se o projeto ficar algum tempo “trancado” no Legislativo…


14 01 2020_DIVULGAÇÃO coluna Martini_FOTO PASSARELASolução inteligente

O Colégio Sinodal Gustavo Adolfo garantiu uma solução inteligente para encerrar uma polêmica um tanto ruim para a boa imagem do educandário. O causo iniciou no fim de 2012, após o Governo de Lajeado ceder um trecho da Rua Albert Schweitzer, entre as ruas Miguel Tostes e Comandante Wagner, no bairro São Cristóvão.
A direção da escola instalou portões em ambas as esquinas, impedindo o trânsito de veículos e garantindo 100% de segurança aos alunos que se deslocavam da sede até o ginásio, localizado no outro lado da rua. Cinco anos depois, o TJ/RS confirmou decisão judicial da Comarca de Lajeado e os portões foram retirados. Agora, uma importante passarela pôs fim ao debate!