Variedades

Família passa mais um Finados aguardando respostas sobre corpo de parente

“Apenas chorei. É triste a gente não ter nem um local para visitar num dia como hoje”, lamenta filha de Orci da Silva

Por

Família passa mais um Finados aguardando respostas sobre corpo de parente
Lajeado

Passou-se mais de dois anos desde que o corpo de Orci da Silva foram exumados do Cemitério Municipal do Florestal. Desde lá, a família do homem morto em 1998 convive com dúvidas.
Para a filha Fabiana da Silva, 29, os restos mortais do pai foram extraviados. Ela ressalta que em abril de 2017, época das exumações, a embalagem lacrada onde supostamente estava o cadáver de Silva não tinham identificação. “Ele foi enterrado com cinta de couro, calça jeans e camisa listrada. Nada disso foi encontrado”, comenta.
A família entrou com ação judicial contra o Executivo e aguarda o teste de DNA para identificar se os restos mortais realmente são do parente. Enquanto isso, a antiga lápide é a única lembrança física que tem do falecido.
“Apenas chorei. É triste a gente não ter nem um local para visitar num dia como hoje”, lamenta a filha em alusão a passagem do Dia dos Finados. Ela destaca que a mãe Maria da Silva sofreu um AVC recentemente e está acamada. Um dos últimos desejos dela é ser enterrada ao lado do marido.
A exumação dos corpos ocorreu em abril de 2017 e foi feita com o intuito de ampliar o espaço no cemitério municipal. Para o trabalho, a administração municipal contratou a empesa Anjos Construções LTDA, com investimento de R$ 341 mil.
Em matérias passadas, o governo alega que todos os restos mortais foram colocados em embalagens lacradas e identificadas.
Matéria completa na próxima edição impressa do Jornal A Hora.
FÁBIO KUHN – fabiokuhn@jornalahora.inf.br