Teatro reconta  início da imigração alemã em Lajeado

Lajeado

Teatro reconta início da imigração alemã em Lajeado

A peça “Die Deutsche Kolonie” foi encenada no Parque Histórico

Por

Teatro reconta  início da imigração alemã em Lajeado
Tudo na Hora 2 - Lateral vertical - Final vertical

O Centro de Cultura Alemã, por meio dos integrantes dos grupos de dança e membros da entidade, encenaram a peça teatral “Die Deutsche Kolonie”, que retrata o início da colonização no município. O espetáculo, apresentado sábado, à tarde, faz parte do projeto Circuito Cultural, que conta com a participação da Secretaria de Cultura Esporte e Lazer (Secel) e recursos do Pró-Cultura RS Fundo de Apoio a Cultura (FAC), além da contrapartida do município.
A peça conta a trajetória da vinda dos imigrantes alemães ao Rio Grande do Sul em 1824 até a sua chegada em Lajeado, a partir de 1855. Eles relembraram as dificuldades e as conquistas alcançadas até construir o “próspero” município de Lajeado.
A pesquisa, redação do texto e montagem dos figurinos e cenários são da autoria da professora de teatro Carla Saticq. “Foram muitos meses de estudos, organização e ensaios. Mas o resultado é gratificante. Deu tudo certo”, afirma. Com um grupo de mais de vinte atores, Sandra disse que foi necessário dar aulas de teatro e de expressão corporal para os participantes terem o melhor desempenho em cena.
A apresentação se desenvolveu na parte interna do Parque Histórico, a céu aberto, com diversas casas servindo de cenário. Isto fez com que as mais de 160 pessoas presentes se deslocassem para acompanhar o desenrolar da história.
Para o secretário da Secel, Carlos Reckziegel, “foi um espetáculo emocionante”. Ele destaca que “os autores da peça foram muito felizes ao aliarem história, música, dança e gastronomia, que são os diferentes aspectos culturais trazidos pelos imigrantes alemães”.
O presidente do Centro de Cultura Alemã, Marcos Mallmann, disse que acompanhou os ensaios do grupo. “Foi muito esforço e dedicação. O grupo está de parabéns pelo desempenho”, destaca. “A peça não precisa se resumir a duas apresentações conforme propõe o Circutio Cultural, este trabalho pode ter continuidade para atrair mais público ao Parque Histórico”.


 

DEOLI GRÄFF – deoli@jornalahora.inf.br