Negócios em Pauta

Sabor e textura conquistam o paladar

Agroindústrias apostam no beneficiamento dos ovos de codorna para agregar valor ao produto. Aumento no custo dos insumos e adequações sanitárias exigidas por lei atrapalham o avanço do setor na região e trancam novos investimentos

Por

Sabor e textura  conquistam o paladar

De produto exótico a ingrediente popular no prato. A trajetória do ovo de codorna na culinária nacional é exemplo da quebra de barreiras de um item que antes sofria resistência. Nas últimas décadas, o ovinho conquistou de vez a cozinha dos quatro cantos do país. Prova disso é a multiplicação do volume produzido.
 
O Vale do Taquari é um dos maiores produtores de codornas no Rio Grande do Sul. São mais de 18 milhões de animais em postura, conforme dados da Emater.
 
A boa aceitação do produto no mercado torna o negócio rentável. Diego Vetorrello, de Marques de Souza decidiu apostar no segmento em 2013. “Eu era representante comercial e durante viagens percebi que este produto faltava em alguns bufês. Passado algum tempo,  surgiu  a ideia de ser  empreendedor  e resolvi  iniciar a criação”, conta Diego.
 
Com cem animais, a produção alcançava uma média de 85 ovos por dia. A maior parte era vendida para amigos ou familiares. Com a boa aceitação, decidiu construir um prédio com infraestrutura adequada e ampliar o beneficiamento. “Hoje temos inspeção federal, o que nos possibilita vender para todo país”, conta.
 
Com um plantel de 30 mil aves em postura, Vetorrello industrializa cerca de 1 milhão de ovos por mês, sendo que pequena parte da matéria-prima é adquirida de outro produtor. O produto chega aos restaurantes, cozinhas industriais e mercados em embalagens de 180 gramas, 300 gramas, 1,8 quilos e 2,1 quilos.
 
O preço varia de R$ 4,80 a R$ 35 a unidade. “Hoje nosso diferencial é o sabor e a textura agradável ao paladar. Este equilíbrio faz ele ser consumido por todos, desde crianças à idosos”, afirma.
 

Animais sensíveis

Entre os cuidados, chama atenção para a temperatura. “São animais muito sensíveis. Na postura, o ideal é manter entre 26 e 28 graus”, observa. Elas necessitam de até 17 horas de luz ao dia. No aviário, as lâmpadas são ligadas às 5h e desligadas às 22h. A postura geralmente ocorre no período da tarde, a partir das 15h.
 
As codornas chegam a granja com 45 dias. Após 11 meses em produção, são descartadas. Para baratear os custos, toda ração é produzida na propriedade. Cada animal consome 27 gramas por dia.
 
Outro complicador é o preço elevado de insumos como milho e soja, principais ingredientes para confeccionar a ração. As exigências sanitárias e de infraestrutura também dificultam a expansão dos negócios.
 

Exigências e custos atrapalham

O técnico da Emater de Paverama, Aldacir Pretto, município que concentra a maior plantel do Vale do Taquari confirma as dificuldades. De nove produtores e 92 mil animais alojados, restam apenas seis famílias e 72 mil codornas em ciclo produtivo. “O custo verificado nas granjas não foi repassado ao valor do ovo. A renda caiu e muitos abandonaram a atividade”, conta.
 
Outra dificuldade são as exigências sanitárias. Muitos produtores enfrentam problemas para conseguir fazer o registro das granjas na inspetorias veterinárias. “Sem isso não é possível renovar o plantel”, observa.
 
O manejo é considerado simples, quando o produtor dispõe de toda infraestrutura na propriedade. Recomenda água potável, ração de qualidade e animais com procedência. “Observe a temperatura, o número de horas de luz e mantenha o ambiente limpo”, reforça.
 
A produção anual é de 1,9 milhão de dúzias. A bandeja com 30 unidades custa em média R$ 2.
 

Passo a passo

Após os ovos serem recolhidos no aviário, são encaminhados para a sala de recepção de ovos, passando  em seguida para  sala de cozimento, ao serem  cozidos,  passam por uma máquina para trincar  as cascas e em seguida para máquina de  descascar.
 
Logo após são levados para o envase, onde é feita a seleção dos ovos. O aproveitamento chega a 90%. Por fim é colocado o rótulo e as embalagens são acondicionadas em caixas de onde são encaminhadas aos clientes.
 

Benefícios do consumo

O ovo de codorna tem um alto valor nutritivo sendo uma excelente fonte de proteínas, ferro, fosforo, cálcio, potássio, vitamina A, vitamina B1 e vitamina B2. Para as pessoas com úlceras estomacais, a ingestão do produto funciona como um combatente natural contra doenças do trato digestivo.
 
Estudo realizado nos EUA mostram que o ovo de codorna ajudou a melhorar a memória, aumentando a atividade do cérebro e regula o sistema nervoso. São bons na remoção de metais pesados de seu corpo, e de toxinas do seu sangue. Além disso, ajuda a livrar o corpo de pedras no fígado, na bexiga e nos rins.