estrela

Moradores exigem a volta das entregas dos Correios no Boa União

Desde janeiro, serviço está suspenso após cachorro morder funcionário. Empresa aposta na conscientização da comunidade

Por

Moradores exigem a volta das entregas dos Correios no Boa União

Cristina da Silva Carvalho pagou o IPTU e a taxa de lixo com um dia de atraso. O boleto não foi entregue em sua casa e, quando ela foi buscá-lo na agência dos Correios, já era tarde. Ela calcula em R$ 30 o prejuízo, mais o deslocamento até o Centro. Cristina tem 68 anos e é moradora da rua Adão Henrique Fett, no loteamento popular do bairro Boa União.
 
“Já tive que ir quatro ou cinco vezes até a agência. A conta de telefone de fevereiro não veio até agora”, afirma. Cada ida custa duas passagens de ônibus e cerca de uma hora. Para quem trabalha em horário comercial, fica ainda mais complicado.
08_AHORA
Desde janeiro, moradores do bairro não recebem suas correspondências em casa. A agência dos Correios no município suspendeu a entrega em três ruas: Sete de Setembro, Corticeiras e Adão Henrique Fett.
 
A decisão foi tomada depois que um carteiro foi mordido por um cachorro que estava solto no bairro. Funcionários da empresa contaram cerca de 30 cães nas imediações. Apenas em janeiro, três casos foram registrados no município.
 

Belinha só sai acompanhada

Morador alega que entregas já estavam irregulares antes da suspensão

Morador alega que entregas já estavam irregulares antes da suspensão


O morador Otávio Marciano da Silva, 40, afirma que antes mesmo da suspensão, as cartas já não chegavam regularmente à sua residência. Silva conta que quase perdeu uma audiência judicial, por não ter recebido a notificação. “Teve de vir a oficial de
 
Justiça aqui para me avisar que a carta estava esperando na agência. Se não for alguma coisa de valor, eles não trazem”, diz.
Na tarde de ontem, ele mateava na calçada em frente de casa acompanhado de sua fiel escudeira, a vira-latas Belinha, de cinco anos. “Ela não ataca ninguém, é tranquila. Ela quase não sai do pátio. Se eu estou aqui, ela está comigo”, afirma
 

Rivalidade na esquina

A esquina as ruas Sete de Setembro e Guilherme Böhmer concentra a maior quantidade de animais soltos. Os vizinhos chegaram a contar 12 cães. Há duas semanas, um cobrador passou de motocicleta pelo local, foi atacado e caiu do veículo.
 
Existe uma rivalidade entre dois grupos caninos, de cantos opostos da esquina. “São como gangues”, ironiza um morador. Quando um animal se aproxima do outro lado da rua, logo é repreendido por um rival.
 

Sem previsão de retomada

Nas ruas onde há a suspensão do serviço, passou a ser adotado o sistema utilizado no interior. O morador tem até 20 dias para buscar a entrega na agência. Após este prazo, ocorre a devolução ao remetente.
 
Não há previsão de retomada das entregas. Na próxima quinta-feira, a partir das 15h,um grupo formado por funcionários do correios, moradores e representantes da Secretaria Municipal do Meio Ambiente percorre as ruas, conversando com moradores e entregando um material informativo.
 
Os agentes da secretaria vão verificar a existência de animais abandonados. Além dos cães soltos, os carteiros enfrentam outras dificuldades, como casas sem caixa de correspondência.
Atualmente, a agência conta com nove carteiros. De acordo com Rodrigues, o número é suficiente para dar conta das entregas no município.
 

Aposta na conscientização

De acordo com o gerente da agência dos Correios, Adilson Rodrigues, os carteiros já vinham tendo problemas. “Em janeiro, chegou ao ponto do carteiro ser mordido e a gente resolveu suspender. Existe uma portaria interministerial que nos faculta só entregar onde houver segurança”, afirma.
 
O gerente aposta no diálogo e na conscientização dos moradores para buscar uma saída. “Acreditamos que olho no olho a gente vai resolver este problema.”
 

MATHEUS CHAPARINI – matheus@jornalahora.inf.br