Vale do Taquari

Dia de Campo evidencia genética e nutrição do milho

Especialistas destacam novos híbridos, cuidados com o solo e manejo para obter melhor produtividade

Por

Dia de Campo evidencia genética e nutrição do milho
Vale do Taquari

O produtor Ruben Weizenmann, 63, de Santa Clara do Sul, aposta em novos cultivares com genética avançada, cuidados com o solo, manejo e nutrição das plantas para elevar a média produzida por hectare.

Neste ciclo, cultivou nove hectares de soja e sete de milho, onde parte é destinada para produção de silagem e outra para grãos. Segundo ele, o conhecimento é fundamental para obter a máxima eficiência. “O segredo está no solo, na escolha de uma boa variedade adaptada ao nosso clima e à nutrição. Por isso, dos dias de campo são fundamentais para aprender novos técnicas e conhecer tecnologias”, ressalta.

Nos últimos dez anos, com orientação técnica e após mudanças no manejo, com investimento em novos produtos, Weizenmann conseguiu melhorar a produtividade por hectare e reduzir os custos. “No milho, a média alcançou 147 sacas na última safra, em torno de 50 sacas a mais. Na soja, aumentou em 25% o rendimento”, calcula.

“Conhecimento aliado à tecnologia”

Marciano Hermann, 36, de Santa Clara do Sul, cultiva 60 hectares de soja e 20 de milho. Para alcançar o máximo de eficiência, busca conhecimento. “Sabemos trabalhar na lavoura. Precisamos apenas aprimorar as técnicas, buscar novas variedades e tecnologias para melhores os índices produtivos”, entende.

Nelso Moro

Nelso Moro, gerente de vendas de uma empresa de sementes, destaca que o sucesso de uma lavoura está no planejamento, desde a escolha da cultura, a sua finalidade, o preparo do solo, sementes adaptadas ao clima da região, genética, plantio na época certa, controle de pragas, ervas daninhas e doenças, nutrição e manejo. “Apenas nas condições meteorológicas não conseguimos interferir. No restante, o resultado final depende de vários fatores e quanto mais conhecimento, maiores as chances de obter boa produtividade”, orienta.

Moro destaca a importância dos dias de campo para difundir as novas tecnologias e técnicas de plantio. “Buscamos trazer informações para o produtor aplicar na sua lavoura. Isso ajuda a minimizar riscos, aprimorar o trabalho e fazer a escolha certa”, enfatiza.

Orientação técnica

Organizado pela Arla Cooperativa de Lajeado e empresas parceiras, o Dia de Campo sediado na área experimental em Linha Primavera, Cruzeiro do Sul, reuniu centenas de produtores da região.

Conforme o presidente Orlando Stein, a missão é trazer aos cooperativados as novidades do mercado em todas as etapas produtivas. “Levamos conhecimento, orientação técnica e produtos de alta tecnologia para elevar a produtividade e os lucros”, observa.

Orlando Stein

Segundo o engenheiro agrônomo Elomar Francisco da Silveira, o local onde ocorreu o Dia de Campo tem 0,5 hectares e foram várias áreas cultivadas com sementes diferentes.

Destacou os cuidados na hora de preparar a lavoura, a escolha do híbrido, a nutrição e manejo. “A genética, a cobertura do solo, os nutrientes oferecidos para as plantas e a forma de cuidar do cultivo, tudo influencia nos resultados. Essas técnicas mudam e precisamos estar atentos para garantir o máximo de eficiência e o menor custo”, entende.

Para saber

A Arla Cooperativa, antiga Associação Rural, foi fundada em 1938 por 71 agricultores da região. Tem um patrimônio de cerca R$ 50 milhões, 1,7 mil associados e 200 funcionários.

Atua na venda de insumos e sementes, compra e estocagem do grão, além de prestar orientação técnica direto nas propriedades. Tem quatro unidades, distribuídas entre a matriz em Lajeado, a unidade 1, em Boqueirão do Leão, a 2, na RS-130 (Lajeado), e a quarta, em Linha Primavera, em Cruzeiro do Sul, local responsável pelo recebimento de grãos.