opinião

O meio ambiente e o descaso humano

Por

O mês do meio ambiente, junho, trouxe algumas reflexões:
O meio ambiente com toda sua magnitude e beleza oferece-nos:
Belíssimas paisagens que inspiram nossos dias.Um dos bens mais precioso para nossa subsistência – a água.
Diversos tipos de alimentos, independente do tipo de sua dieta alimentar.
Os cantos dos pássaros com suas belas melodias.
O mar com sua beleza estonteante que proporciona prática de esporte, alimentos, lazer, petróleo, entre outros proveitos.
A biodiversidade que é um grandioso armário de medicamentos, ela tem provido a humanidade com uma vastidão de recursos que salvam vidas.
Matéria-prima para criação de infindáveis bens indispensáveis para vida humana.
Mas, em contrapartida a esses inúmeros benefícios oferecidos pela mãe natureza, retribuímos com:
Poluição desenfreada dos mananciais, rios, lagos, mares destruindo toda vida que neles habitam.
Desmatamento incontrolável de florestas, matas ciliares, promovendo a agricultura e pecuária, sem nenhuma preocupação com as espécies que serão prejudicadas.
Queimadas, método comum entre os agricultores para preparar o solo para plantio. Essa prática primitiva causa danos ao solo e aos demais recursos naturais.
Caça e pesca sem critérios, tendo como consequências algo desastroso, uma vez que muitas espécies correm risco de extinção em função dessa atuação e, como o equilíbrio do ecossistema depende da existência de todas as espécies, quanto maior a atividade predatória maiores as consequências.
Tráfico de animais. A retirada de animais silvestres da natureza gera não apenas sofrimento animal, mas pode ter consequências ambientais graves, com ameaça de extinções locais ou extinção da espécie como um todo, até desequilíbrios ecológicos com consequências econômicas.
Ampliações desordenadas das fronteiras agropecuárias dentro das áreas de mata nativas.
Produção maciça de lixo e seu descarte irregular, ocasionada pelo consumismo frenético.
Os seres humanos e seu egocentrismo monstruoso!
A defesa da natureza não é papinho de ambientalista, mas sim deveria ser um princípio de toda sociedade, pois a estabilidade da vida na terra está intrinsecamente relacionada com a saúde do meio ambiente, então, sejamos coerentes e gratos por tudo que a natureza nos proporciona, fazendo nossa parte enquanto ainda temos tempo de salvar as nossas vidas e das as futuras gerações. Quem sabe possamos fazer uma reflexão sobre as nossas atitudes perante esse bem imensurável.

Sabrina Borges Portela, bióloga e professora

Escreva para o e-mail: leitor@jornalahora.inf.br. A publicação dos artigos atende a um cronograma de rodízio. O número máximo de caracteres do texto pode chegar a 2.300