MP lacra posto com etanol irregular

Notícia

MP lacra posto com etanol irregular

Por

Uma força-tarefa do Ministério Público (MP) testou na manhã de quarta-feira os combustíveis de diversos estabelecimentos da região. Em um deles, na BR-386, próximo do Posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF), os resultados apontaram índice de água superior ao de álcool.

etanolO MP solicitou uma liminar, concedida pelo juiz João Gilberto Marroni Vitola, e o posto teve as bombas de etanol lacradas. Foram apreendidas notas fiscais relativas às três últimas compras do combustível. O empresário terá de pagar multa de R$ 30 mil, caso descumpra a medida e rompa os lacres.

Durante a atividade foi instalado um laboratório móvel de análise de combustíveis nas dependências da Promotoria de Justiça Especializada de Estrela, no qual o engenheiro químico da Promotoria analisou 63 amostras de combustíveis (etanol, gasolina comum, gasolina aditivada e óleo diesel), coletadas em postos em Arroio do Meio, Bom Retiro do Sul, Encantado, Estrela, Lajeado e Roca Sales.

Na semana passada, o Jornal A Hora uma reportagem que mostra as irregularidades nos postos de Lajeado e Estrela. Conforme o promotor de Justiça, Neidemar Fachinetto, as coletas foram realizadas de forma discreta.

Segundo ele, nos próximos dias um ofício será encaminhado para a Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) para que o órgão fiscalize todos os estabelecimentos e as irregularidades quanto à forma de exposição das placas com valores.

Um levantamento feito pela reportagem revelou que de 19 postos de combustíveis de Lajeado e Estrela, 12 descumprem as normativas da Agência Nacional do Petróleo (ANP). Ela obriga que os donos das empresas instalem placas na entrada do estabelecimento com os preços dos combustíveis vendidos no local.

O material precisa estar em local visível, para que o motorista não precise entrar no posto ou estacionar na bomba de combustível para verificar o valor.

Na região, a maioria dos postos descumpre os padrões estabelecidos. Placas ficam escondidas nos canteiros, atrás de folhagens e árvores; outras em muros, próximas das áreas de lavagens de veículos; e algumas ficam invisíveis devido ao seu tamanho ou aos carros estacionados na frente.

Em um dos casos, na RS-130, a placa está exposta em tamanho e formato corretos, mas os preços estão rasurados. Em outro, no bairro Florestal, consta na placa a informação de desconto à vista, mas não informa a porcentagem. Nova verificação realizada nesta semana constatou que as irregularidades continuam.

Danos

O combustível adulterado pode causar danos no veículo. Conforme o mecânico Giovani Danetto, de Lajeado, o custo inicial para consertar qualquer um dos itens abaixo é de R$ 300. Veja principais problemas:

– sistema de ignição;

– velas;

– bomba eletrônica;

– bico injetor.