Envelhecimento rural põe em risco modelo de produção

Notícia

Envelhecimento rural põe em risco modelo de produção

Por

Gustavo Adolfo 1 - Lateral vertical - Final vertical

ruralO encontro que come­morou o Dia do Tra­balhador Rural, na comunidade de Amo­ras, interior de Tabaí, confirmou uma realidade preocupante, o envelhecimento rural. Com a idade avançada para seguir no campo e sem sucessores, pequenos produtores vendem terras ou param de produzir. Situação põe em risco o modelo de agricultura familiar característico da maioria dos municípios da região.Segundo pesquisa da Univates, em 2006, 18% da população morava no campo, sendo que dessas quase a metade não tinha sucessores. Eram 35 mil propriedades rurais, sendo que dez mil estão paralisadas, ou seja, não são autossuficientes para produção alimentícia muito menos para auxiliar no desenvolvimento do setor.

Um dos grandes desafios é manter o jovem na agricultura. Mesmo que em determinadas regiões do Vale existam trabalhos de incentivo à permanência no setor primário, a maioria dos filhos de produtores rurais ruma para os centros urbanos. E para mudar essa realidade, um dos objetivos será pro­fissionalizar a produção rural e criar programas específicos e atrativos que possam garantir e manter a nova gera­ção no meio rural.Diversas iniciativas estão em anda­mento no estado para reter os talentos qualificados no campo e ajudar a gerar mais renda na agricultura. Há cerca de um ano e meio, a Emater oferece qualificação e incentiva 60 mil jovens a permanecerem e produzirem no campo com o auxílio do Programa Rio Grande Jovem. A meta é estender o atendimento para 30 mil famílias por ano. A quantidade representa 20% da estimativa de 300 mil com idades entre 15 e 24 anos que estão no campo.

“Pequenas propriedades deverão sumir”

O modelo característico de produ­ção, em que 95% das propriedades rurais são de agricultura familiar e 70% têm menos de 20 hectares, parece estar com os dias contados. Com o envelhe­cimento dos agricultores que têm em média 50 anos e a falta de sucessores fazem com que a maioria dos produ­tores arrende as terras. A tendência é de que, nas próximas décadas, haja concentração da produção de alimentos nas mãos de grandes produtores.

Adilson Metz, coordenador regional do movimento sindical do Vale do Ta­quari, estima que nos próximos anos deverá reduzir muito o número de agricultores. Um dos motivos para a redução da mão de obra ativa, princi­palmente, dos jovens é o êxodo rural. “A saída é profissionalizar, diversificar e organizar a propriedade. Isso garantirá rentabilidade e motivação para perma­necer na zona rural”, aponta.

O sindicalista revela que até os sindicatos enfrentam dificuldades em se manter. Dados comprovam que nos últimos anos o quadro social diminuiu 6% ao ano. “Hoje temos 350 sindicatos. Em dez anos muitos deles se tornarão inviáveis pela falta de associados. Por isso, precisamos mudar nosso perfil e tentar formar novas lideranças para acompanhar as mudanças que chega­rão”, comenta.

Produtor pós-graduado

Sucessão em­presarial não é mais uma preocupação exclusiva do mun­do coorporativo. A inquietação dos produtores rurais é apontada como uma das alternati­vas para estagnar o processo histórico de êxodo rural. Se­gundo o engenheiro agrônomo Nilo Cor­tez, os jovens que pretendem continu­ar na lavoura bus­cam se qualificar por meio de cursos e especializações. “O segredo para se manter na lavoura é fazer o trabalho com dedicação e profissionalismo. O novo produtor pre­cisa diversificar e estar atento às no­vas tecnologias de produção”, afirma.

Cortez aponta que o campo per­deu capacidade de produção devido à saída do jovem. “A qualificação aliada às novas tecnolo­gias e diversificação poderão ser uma nova oportunidade para quem continu­ar no campo. Com isso poderemos até suprir o problema da falta de matéria-prima que hoje atin­ge as agroindús­trias”, observa.

Foto Giovane Weber